Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube das Repúblicas Mortas

Clube das Repúblicas Mortas

14
Jun11

O único "sítio" onde faz sentido falar de "neoliberalismo"

Henrique Raposo

 

"A terceira forma de liberalismo enfatiza a importância das instituições (para a resolução de conflitos entre estados), e esta corrente é normalmente designada de "neoliberalismo". Por que razão as instituições internacionais são importantes? Porque estabelecem um enquadramento no qual as expectativas são moldadas"

28
Jan11

O momento de inteligência (importada) de Sócrates

Henrique Raposo

1. Hoje, vi finalmente um momento de inteligência de Sócrates: a nossa lei laboral não pode ser um ser à parte no contexto europeu. Se as coisas estivessem bem, tudo ok, tínhamos de manter esse oásis tuga e os outros tinham de aprender aqui com a malta. Sucede que a lei laboral portuguesa - a mais rígida da OCDE (não é só da UE) - cria e criou desemprego. Pelo meio, lixou a minha geração, que emigrou ou ficou nos recibos verdes.

 

2. O teto de 12 anos é fundamental, muito mais importante do que a redução de 30 para 20 dias.

 

3. A lei laboral deve privilegiar a criação de novos empregos. Novos. Sucede que a nossa lei, tal como está, apenas tem uma preocupação: proteger os empregos criados há 10, 20, 30 anos. Não é preciso ser um génio para perceber que isto dificulta a criação de novas empresas e de novos empregos.Não por acaso, quem se lixa é o desempregado e os mais novos. Quando a minha geração entrou no mercado de trabalho, encontrou o terreno de jogo completamente minado, com as regras e o árbitro a proteger sempre os mais velhos. Como é óbvio, um empresário que tem de pagar 30 anos de indemnização por x não vai meter malta nova na empresa, e quando mete, mete a recibo verde. Pior: o peso da indemnização individual (30 dias; sem limite de anos) é o primeiro factor que afasta o investimento externo em Portugal. Quando regressou à Alemanha, o ex director da Auto Europa foi claro: Portugal precisa de mais flexibilidade. Hoje, com o fim do pacto de varsóvia, com as Repúblicas Checas e as Eslováquias, a Auto Europa não vinha para Portugal.

 

4. Problema disto tudo? Os políticos e os "analistas" desconhecem o ponto de vista do empresário. É impressionante como em 2011 ainda continua em voga a ideia "neorealista" do empresário como um bandido de gravata. A lei labora, tal como está, indica uma coisa: Portugal não aceita que o empresário é o motor da economia. Enquanto isso não mudar, podem fazer as linhas de crédito que quiserem, que nada muda, sobretudo porque não teremos investimento estrangeiro. E nós precisamos, mais do que nunca, de investimento estrangeiro.

 

5. A lei laboral não é uma questão técnica e económica. É uma questão moral que remete para o contrato não escrito de todas as sociedades: o contrato entre gerações.

 

6. O ideal seria que isto fosse aplicada aos contratos já em vigor. Mas esse ideal não me parece possível agora, sobretudo porque este é um governo de esquerda. Mas é o começo de qualquer coisa. Vai permitir a criação de emprego e, sobretudo, cria as condições para que a minha geração não lixe a geração que está agora na infância. A minha geração é aquela que ficou entalada. Nós somos os lixados. Não há nada a fazer sobre isso. O mal está feito. Mas devemos mexer agora para proteger a geração dos meus filhos.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Henrique Raposo:

  •  
  • Rui Ramos:

  •  
  • Notícias

  •  
  • Revistas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2009
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D