Domingo, 31 de Maio de 2009
"Como é que Deus permite isto?"

 

1. Em “O Homem em Queda”, Don DeLillo recria um grupo de pessoas que partilha as suas angústias sobre o 9/11. Alguém pergunta: “Como é que Deus deixou aquilo acontecer? Onde estava Deus quando aquilo acontece?”. Esta pergunta – que percorreu, com certeza, a cabeça de muita gente – tem um lado perigoso, que se esconde na aparente benignidade da inquietação.

 

2. Esta pergunta parte do pressuposto que a nossa vida resulta de um plano divino, parte do pressuposto de que as nossas acções resultam desse plano; em suma, parte do pressuposto de que os homens não têm livre arbítrio e apenas estão aqui para serem títeres de Deus (Curiosamente, esta visão superficial é partilhada pelos ateus). Ora, se Deus existe, Ele existe para dar livre arbítrio aos homens, e não para os conduzir ao longo da vida. Deus dá liberdade de escolha aos homens. Os homens, depois, é que decidem o que fazer com essa liberdade de escolha. Deus deu liberdade aos homens que fizeram o 9/11. Eles escolheram livremente fazer aquilo. Deus nunca os poderia travar, pois isso significava anular o seu livre arbítrio.

 

3. A pergunta “Como é que Deus deixou aquilo acontecer?” é uma angústia que esconde a pulsão autoritária. Aquele que tem esta angústia é aquele que não suporta o fardo da escolha inerente ao livre arbítrio; é aquele que mete o pé na escadinha autoritária .  É aquele que, de forma mui muçulmana, procura refúgio na submissão ao Deus que tudo arquitecta. É esta forma de pensar que abre portas ao poder político autoritário, aquele que nos alivia da angústia da escolha; aquele poder político que se comporta como Alá na terra.

 

4. Esta angústia revela ainda como é difícil aceitar uma das lições vitais de Hannah Arendt: não existe uma Humanidade seguindo um caminho (indicado por Deus, indicado pelas leis da História ou pelas leis da Ciência); existem apenas homens. E esses homens seguem caminhos diferentes uns dos outros. E aquilo que para uns parece ser um horror, é para outros a glória absoluta. O tal pluralismo é uma dura questão de facto. Não é um estado de alma.


5. É bom ter isto em mente, porque já por aí andam os vendedores "daquele produto que nos retira a angústia da escolha". Esse produto chama-se nacionalismo, de esquerda e de direita, e costuma aparecer nestas alturas de crise, quando a malta se esquece muito rapidamente de décadas de crescimento provocado pela abertura não-nacionalista. 



por Henrique Raposo às 15:41 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009