Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Clube das Repúblicas Mortas

Clube das Repúblicas Mortas

19
Mai09

Quotas para mulheres na política?

Henrique Raposo

1. Em primeiro lugar, há que limpar a mesa. Os defensores das quotas, os mais agressivos e agressivas, têm a mania de insinuar que os críticos das quotas são "machistas". E, aliás, este debate é dominado pelo medo que as pessoas têm de ser apelidas de "machistas" (ou de "parvas", quando se trata de mulheres que criticam, e bem, as quotas). É um pouco como noutros debates. Se criticas o islamismo, és "racista". Se criticas o rendimento mínimo, és "insensível". São ainda os efeitos do velho esquema do Comintern: se criticas o comunismo, és "fascista".

 

2. As quotas diluem o mérito dos indivíduos; ou seja, as mulheres realmente capazes e competentes não precisam de quotas. Com um sistema de quotas, o valor individual das mulheres vai diluir-se na tal "igualdade" entre géneros.

3. Mais mulheres na política? Isso não se resolve com quotas. E, em primeiro lugar, há que perguntar uma coisa: por que razão há mais homens a falar de política? Basta olhar para os blogues. Isto não é necessariamente mau. Se as mulheres preferem falar de livros, cinema, etc., por que razão isso será mau? Eu acho isso óptimo. Livros e cinema são melhores temas do que política. Em segundo lugar, podem colocar as quotas que quiserem, porque nada será feito enquanto a família não ajudar a mulher/deputada. Se o marido da mulher não a apoiar lá em casa (tratando da famíla, etc.), nada feito. isto é uma questão de cultura, de respeito, ou seja, é uma questão que não se resolve com medidas políticas. É uma questão que se resolve dentro das quatro paredes de cada casal.
Neste aspecto, é visível uma das manias da política moderna: a ideia de que o Estado, através da lei, tudo resolve. Há coisas que não são políticas. Esta é uma delas. Há questões que são do nível pré-político. Não têm resolução política imediata e por decreto. Têm resolução “social” e lenta. Mais: podem não ter resolução, pois podem muito bem não ser problemas reais, mas sim ficções destinadas a preencher agendas políticas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Henrique Raposo:

  •  
  • Rui Ramos:

  •  
  • Notícias

  •  
  • Revistas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2009
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D