Domingo, 28 de Fevereiro de 2010
O morto que anda

Há uns anos, um filme com Sean Penn ensinou-nos que nas prisões americanas se grita “dead man walking” quando um condenado é levado à execução. Não sei se alguém já se lembrou de gritar o mesmo à passagem de José Sócrates nos corredores do nosso poder. Seria talvez um caso de mau gosto, mas não de exagero. Há ainda, no entanto, dois erros que todos podemos cometer a propósito deste defunto ambulante. 

 

O primeiro diz respeito à causa do óbito. O situacionismo, pelas suas variadas bocas, não quer vislumbrar mais do que uma questão de “personalidade”. É uma miopia muito conveniente para quem nada quer mudar a não ser nomes. Só que o grande problema de Sócrates não é o Freeport ou a Face Oculta, mas outra coisa: o fracasso da ideia de fazer crescer o país, num contexto de união monetária europeia, através do investimento público em educação e em infra-estruturas. Foi esse o roteiro que Sócrates perfilhou em 2005. Por isso, nunca teve alternativa na oposição, já que desde a década de 1990 que o regime, da direita à esquerda, não quer seguir outro caminho. O projecto falhou com ele, que talvez seja um pecador, como teria falhado com outro, mesmo se fosse um santo. Se Sócrates, segundo os seus inimigos, tem dificuldade em lidar com a “verdade”, a restante classe política não mostra menos dificuldades em lidar com a verdade do fracasso de Sócrates. 

 

O segundo erro consiste numa tentação: aproveitar o facto de o morto ainda andar -- para o pôr a andar por conta de outrem. A súbita abnegação patriótica da classe política, mais uma vez da direita à esquerda, é revelador: ninguém deseja adicionar outra crise à que já há; todos se dispõem a deixar Sócrates chegar ao fim do “ciclo”. Não se trata apenas de esperar que o governo caia por si. A semana passada, num assomo de sinceridade, António Pires de Lima veio aqui confessar o esquema. Sócrates ficaria no governo, como uma espécie de títere de faxina, para limpar a casa até aos 3%. Só então a oposição apareceria para reclamar as chaves e fazer-nos o grande favor de começar a sua obra de reforma. Em suma: a boa moeda recusa-se a voltar e quer obrigar a má moeda a continuar em circulação. Não duvido das boas intenções. Mas o resultado seria termos, nos próximos anos, uma política resumida a transacções técnicas de bastidores, como as do último orçamento, e uma governação anónima e de responsabilidade limitada. Acreditam que é assim que se criaria ambiente para a tal reforma, se é esse o objectivo?

 

O pós-socratismo não será fácil. Sem Sócrates como tema de conversa, seremos forçados provavelmente a falar do verdadeiro problema: o nosso modo de vida. Os portugueses terão de optar: ou tapamos apenas os buracos maiores e prosseguimos o declínio económico e social, talvez sob tutela europeia, como uma espécie de Kosovo financeiro; ou rompemos com “isto” e trabalhamos para mudar de vida. O governo de que o país precisa é aquele que o obrigue a dizer finalmente o que quer. Até pode ser “isto”, por não poder ser outra coisa – mas convém-nos saber de uma vez por todas. 

 

Publicado no Expresso, 20 de Fevereiro de 2010.

 


por Rui Ramos às 09:40 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009