Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube das Repúblicas Mortas

Clube das Repúblicas Mortas

07
Jan13

A UE ou a Constituição?

Henrique Raposo

 

 

pp. 190-192


O umbigo de Soares

Caro dr. Mário Soares, este telegrama ultra-mega-neo-liberal tem um propósito simples: provar que V. Exa. não percebe nada da União Europeia. Nada. Aliás, o meu caro amigo está, desde já, chumbado na cadeira de Integração Europeia.

V. Exa. estabelece sempre uma ligação directa entre a União Europeia (UE) e o Estado Social. Na sua cabeça, a UE é sinónimo de Estado Social. Pior: é sinónimo do Estado Social que existe aqui no sul da Europa. O seu raciocínio está errado. A UE, meu caro, não mete aquele burocrático bedelho nos assuntos do Estado Social. A construção do dito Estado Social é uma tarefa que cabe, em exclusivo, aos diferentes Estados da União. É por isso que não existe um modelo social europeu, mas sim diversos modelos. O modelo nórdico, por exemplo, tem uma natureza liberal, enquanto o modelo sulista tem um carácter socialista e corporativo. A verdadeira atividade da UE incide sobre uma coisa que está a milhas ideológicas do Estado Social, a saber: o Mercado Único. O coração da UE é liberal, meu caro Mário. E sabe porquê? Porque o comércio livre é a primeira linha de defesa contra o fantasma do nacionalismo. Se não entender isto, V. Exa. nunca compreenderá a natureza da UE, e a sua "Europa" será sempre uma extensão do seu umbigo ideológico.

V. Exa. devia prestar mais atenção aos socialistas franceses, que sempre rotularam a UE de inimiga do Estado Social francês. Não por acaso, os socialistas gauleses têm um discurso soberanista e até xenófobo ("canalizador polaco"). Claro que esta xenofobia de esquerda é disfarçada pelos constantes gritos contra o "neoliberalismo". Quando xingam o "neoliberalismo", os esquerdistas franceses (e portugueses) deixam de ser nacionalistas, e passam a ser querubins amestrados no combate contra a pérfida globalização, ou coisa assim. Mas, meu caro Mário, não se iluda com estes truques semânticos: o Estado Social é, neste momento, um motor do nacionalismo. Na segunda metade do século XX, a UE foi feita contra o nacionalismo de direita. Agora, a UE será feita contra este nacionalismo de esquerda. É por isso que lhe digo o seguinte: o meu caro amigo vai ter de fazer uma escolha histórica.

V. Exa. criou esta III República com base em duas narrativas fundadoras: Portugal devia estar no coração da UE, e devia construir um modelo social francês. Ora, em 2010, podemos dizer que as duas narrativas estão em rota de colisão. Ou saímos da UE para mantermos o Estado Social com sotaque francês, ou ficamos na UE e reformamos o Estado Social (adoptando um sotaque nórdico). V. Exa. vai ter de escolher: ou está com a Europa, ou está com o nacionalismo dos direitos adquiridos.

 

Julho 2010

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Henrique Raposo:

  •  
  • Rui Ramos:

  •  
  • Notícias

  •  
  • Revistas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2009
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D