Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Clube das Repúblicas Mortas

Clube das Repúblicas Mortas

28
Set09

Um futuro menos mau

Henrique Raposo

No essencial da governação, o PS terá de negociar com o CDS. Bom. Depois, para compensar, o PS vai dar umas causas fracturantes à sua esquerda. Haverá muito folclore novamente. Menos mau. O pior era ter o BE a meter a mão no essencial.

 

E aí vai ser engraçado ver uma coisa: o ultraconservador PCP vai deixar passar as causas fracturantes do BE e PS? Eu acho que não. Já estou a rebolar-me no chão.

28
Set09

Adeus, ASS

Henrique Raposo

1. O PS ganhou as eleições, mas perdeu a maioria absoluta. E o dado institucional mais importante destas eleições é mesmo esse: o PS perdeu a maioria absoluta. E, neste sentido, também perdeu. Não me venham com a "estória" do "quem tem mais votos ganha". Isto não é futebol. O PS perdeu a sua maioria absoluta, logo, perdeu poder institucional, logo, tem de repensar toda a sua forma de fazer política. Mais: o PS perde cerca de 9% em relação a 2005. Mais: Há uns meses, toda a gente esperava que o PS iria conseguir uma nova maioria absoluta. Convém ter memória. O PS sobreviveu, não venceu.

 

2. Agora, Sócrates tem de fazer um workshop com o político menos "socrático" da história: António Guterres. Sócrates tem de aprender com Guterres as maneiras de governar com maioria relativa. A democracia ganha com isso. E isto também significa a saída de ministros que não sabem o que é a palavra "negociar". A começar pelo ASS. Adeus, ASS. Sabe bem ir p'ra caminha sabendo que o ASS já não vai estar cá amanhã.

28
Set09

O grande vencedor: o CDS

Henrique Raposo

1. O CDS é um dos grandes vencedores da noite. É talvez o grande vencedor, dado que é o mais "surpreendente". O CDS vence as sondagens (again), e vence a CDU e o BE na luta pelo terceiro lugar. É muito importante ter o CDS à frente da extrema-esquerda. Respira-se um pouco melhor assim. Um ar mais europeu, e menos Chanel 1975. E fica provado que a juventude portuguesa não está destinada a votar na irresponsabilidade do BE. Há gente nova de direita por aí. Fazem menos barulho, mas andam por aí.

 

2. O CDS é agora o partido charneira no sistema partidário português. O CDS é aquilo que o BE queria ser: a alavanca do parlamento, e a peça que fica a faltar ao puzzle parlamentar de Sócrates. Ainda bem que este poder caiu num partido que até acredita na democracia burguesa.

 

3. Resta saber uma coisa: esta vitória de Portas resulta de um crescimento imparável do CDS? Ou resulta da fraqueza do PSD? O CDS está consolidar eleitorado que nunca votará PSD, ou está a receber eleitorado que recusa votar em MFL? Com um líder forte no PSD, o CDS continuará a ter 10%? O CDS tem a palavra. É continuar a trabalhar, como dizia o outro.

28
Set09

O PSD quer ser o quê? Um partido de poder ou um partido autárquico?

Henrique Raposo

1. A resposta a esta pergunta foi dada pela própria MFL: o PSD é, neste momento, um partido autárquico, que se preocupa em manter as redes locais de caciques. Mais nada. A declaração de MFL é ainda mais triste por causa disso. No fundo, MFL veio dizer o seguinte: "perdemos as legislativas, mas iremos vencer as autárquicas, logo, estamos bem". Isto, para um partido como o PSD, é dramático. Com este discurso o PSD deixa de ser um partido de poder nacional e passa a ser - oficialmente - uma confederação de caciques.

 

2. MFL não tem condições para continuar à frente do PSD. As listas foram uma miséria, sobretudo porque desprezou a gente nova. A campanha foi feita sem profissionalismo, e sem qualquer sentido político. MFL tinha muita razão do seu lado. Muita mesmo. Escrevi isso várias vezes. Foi a única com coragem para dizer que "não temos dinheiro", o "endividamento é um sério problema". Mas em política não chega ter razão no papel. É preciso pegar nessa razão e fazer um discurso político que entre na cabeça das pessoas.E MFL sempre desprezou esta parte da democracia. Não chega ter a razão técnica. É preciso falar com as pessoas. Democracia não é uma aula de economia ou de contabilidade.

 

3. A nova liderança do PSD tem de resolver uma coisa: o PSD é o quê? O PSD representa o quê ideologicamente? O PSD quer ser apenas uma desculpa para a existência de autarcas ou quer ser um partido liberal e reformista, assumindo claramente a defesa da sociedade contra o Estado?

28
Set09

BE vence, a arrogância de Louçã perde. Obrigado, Albânia

Henrique Raposo

1. O BE é um dos vencedores da noite. Esta estranha coligação de gente respeitável (a esquerda libertária, pós-moderna, a esquerda das causas, dos golfinhos e dos gays) com gente altamente pouco respeitável (a malta da Albânia) lá vai fazendo o seu caminho. O BE, a par do CDS, roubou a maioria absoluta ao PS. Obrigado, Albânia.

 

2. Mas temos de fazer uma distinção entre o partido e o seu líder. Porque Louçã é um dos derrotados da noite. A vaidade imensa de Louçã perdeu esta noite. Louçã queria ser primeiro-ministro. Louçã queria liderar a esquerda. Louçã queria comer metade do PS. Afinal, ficou em 4.ºlugar. Mais: nos seus dias mais realistas, Louçã apenas poderia desejar que os deputados do BE fossem necessários para o PS conseguir 117. Nem isso Louçã conseguiu. Estou a rebolar-me a rir com a cara que Louçã deve estar a fazer agora. É que além disto tudo, Louçã ficou atrás do partido dos "fachos" (é assim que, em privado, ou nas caixas da net, os BEs continuam a tratar as pessoas que votam CDS). Vou rebolar-me um pouco mais. 

 

3. Se quer ser uma força responsável, se quer ser como os Verdes na Alemanha (isto é, o parceiro natural de coligação com o maior partido da esquerda), o BE fazia bem em mandar Louçã para a Albânia. O BE pode ser um partido importante e respeitável, mas para isso tem de deixar de ser a máscara do PSR.

28
Set09

Sinal de modernidade: PCP em último

Henrique Raposo

1. Não há como fugir à coisa: o PCP perdeu. Ouvindo os comunistas hoje, até ficou a ideia de que o PCP foi o vencedor. Mas esse gap entre o comunista e a realidade é normal. Eles são assim. Mesmo quando tiverem 2%, os comunistas falarão com aquele tom de quem vence sempre (mesmo quando perde). Porque aquele tom é o tom da sua convicção utópica. Um comunista não vive na realidade. Ele vive na sua convicção, logo, manda sempre à fava o pó da realidade. Podem dizer-lhe que “vejam lá, vocês agora são os últimos". Na resposta, ele diz “mas o comunista sente de maneira especial, o comunista é especial”.

 

2. E este é – finalmente – um sinal de modernidade no nosso sistema partidário. Ver o PCP em último é um marco na história do regime. Ainda falta muito para aquilo que existe na Europa – fim dos comunistas -, mas já é qualquer coisa.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Henrique Raposo:

  •  
  • Rui Ramos:

  •  
  • Notícias

  •  
  • Revistas

  •  
  • Blogs

  •  
  • Arquivo

    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2013
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2012
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2011
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2010
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2009
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D