Quarta-feira, 24 de Junho de 2009
PLL

 

 

O meu partido, que está em fase de elaboração do programa de governo: PLL, Partido Libertário e Libertino. Slogans de campanha:

 

Libertinos do mundo, uni-vos!

 

Todos-nós-temos-o-Sade-na-voz.

 

Solta o libertário que há em ti.

 

(Adam) Smith, amigo, o povo está contigo!

 

 



por Henrique Raposo às 15:49 | link | partilhar

Jojó na academia

Sou libertário e libertino.



por Henrique Raposo às 13:00 | link | partilhar

Os Valores Conservadores de Obama

Crónica do Expresso: Obama é Huntington

 

[...] Além de combater o universalismo que os neoconservadores queriam impor ao mundo, Huntington lutou contra o relativismo que a esquerda multiculturalista queria impor à América. Neste ponto, Obama também é 'huntingtoneano'. Obama simboliza uma América pós-racial. Não podemos definir Obama como afro-americano. Obama é americano. Sem o hífen multiculturalista. E esta destruição do multiculturalismo às mãos de Obama é ainda mais evidente quando observamos o amor do novo Presidente pelos valores tradicionais (patriotismo, Deus, família). Obama está a exterminar o relativismo moral da esquerda, e, ao mesmo tempo, está a disputar os votos conservadores com os republicanos.

O messias negro tem fama de progressista, mas é, na verdade, um portentoso conservador.


 



por Henrique Raposo às 10:14 | link | partilhar

Terça-feira, 23 de Junho de 2009
O PSD quer ser o quê? Não quero uma avó, quero uma PM

- Consta que o PSD está a fazer o seu programa de governo. Ora, esse programa tem de resolver – de uma vez por todas – o problema de identidade do PSD. O PSD quer ser o quê? Sendo o PS o partido do Estado (os homens são de esquerda, pá), o PSD só faz sentido – e só tinha a ganhar – em ser o partido da sociedade “contra” o Estado. O PSD quer ou não salvar a sociedade portuguesa deste Estado de coisas? Tem ou não coragem de dizer aos portugueses que o facto de o Estado gastar 35 cêntimos de cada euro que produzimos (só em despesas correntes, fora as prestações sociais; com isso chega-se aos 50 cêntimos no bolso do Estado) é uma indecência que já perdeu a graça?

 

- Um manifesto assente na palavra “verdade” não quer dizer nada. Não é um manifesto politico. É uma declaração oca, um abraço que se dá ao eleitorado, dentro da esperteza saloia do “ela é honesta, ele não é”. A carinha séria de MFL não chega. Não chega dizer que MFL é séria, que diz a verdade. Isto não é para escolher um amigo ou, neste caso, uma avó. É para escolher um PM. E neste sentido eu não sei o que MFL quer para o país, a não ser que está contra as grandes obras, e que é séria. É pouco.

 

- O pior que pode acontecer é isto: o PSD pensar que tudo o que é “socrático” é mau. Não é. Uma das coisas que o PSD tem de fazer a sério é algo que Sócrates começou mas não conseguiu (não quis?) acabar: fazer guerra às corporações e sindicatos. Um governo de PSD tem de ser igualmente duro, ainda mais duro, aliás, com as corporações. Se vier agora com a mensagem do diálogo guterrista – por oposição à arrogância socrática – é mau. Se é para isso, deixem-se estar em casa chupando figos.

 

- O PSD vai ter coragem para cortar na despesa do Estado para depois ter margem para uma necessária baixa de impostos? Vai ter coragem de dizer que o Estado não é a Santa Casa? Vai conseguir dizer que o dinheiro é nosso e não do Estado?

 

- Vai fazer uma política educativa realmente diferente do PS? Isto é, vai dar autonomia às escolas públicas (libertando-as das DREN - despedindo os milhares de burocratas do MdE que nunca viram uma escola)? Vai apoiar o ensino privado como deve ser? Vai introduzir a medida mais séria e justa: o cheque ensino?

 

- Na saúde, vai fazer parcerias com outras entidades sem complexos ideológicos? Vai introduzir o cheque-saúde, a medida mais justa (e eficaz) nesta área?

 

- Tem coragem de impor um código laboral realmente ajustado ao nosso tempo? Um código laboral que retire Portugal do fim a lista mundial (mundial) da rigidez laboral? Como é que Portugal pode competir com os outros parceiros europeus (nem sequer falo do resto do mundo) quando joga na 3.ª divisão mundial em termos de flexibilidade laboral? Alguém faz a gentileza de me responder a isto?

 

- vai ter coragem de mudar a lei que possibilita que milhares de boys rosa dêem lugar a mulheres de boys laranja na alta função pública? Se quer dar mesmo um exemplo de “verdade”, então MFL deve abolir isso e impor como regra o seguinte: o acesso aos altos cargos da função pública deve ser feito por concurso público, e as pessoas ficam lá seja qual for o governo. Temos de acabar com o espectáculo pornográfico da dança dos boys nas trocas de governos. O cartão partidário não pode continuar a ser o factor de escolha das pessoas para os cargos. Eu vou votar PSD para que os boys rosas dêem lugar a boys iguais mas de cor diferente? Nem pensem.

 

- Se querem ganhar o poder só por ganhar, se querem ganhar o poder sem dizer as coisas difíceis, então, não vão ter a legitimidade para as fazer quando estiverem no poder. E se o PSD, quando voltar ao governo, não fizer as tais coisas difíceis (salvando a sociedade do estado), se cair no status quo como o PS, então, o PSD nunca mais lá volta, porque será a segunda vez que falha. Não há terceira vez. Até porque, sinceramnte, o regime não aguenta mais este pântano que adia as reformas que têm de ser feitas mas que ninguém faz. É por isso que andamos há 10 anos a divergir da Europa.

 



por Henrique Raposo às 16:22 | link | partilhar

Sócrates, o anti-Guterres

 

 

 

 

Crónica do Expresso:

Durante o seu reinado, Sócrates seguiu um lema: ser o anti-Guterres. A teimosia (insuportável) do 'PS Sócrates' foi desenhada para contrastar com a moleza (insuportável) do 'PS Guterres'. E existe ainda outro ponto que distingue Sócrates de Guterres: Sócrates não vai fugir [...]

 

 

 

PS: na foto, o tal menino que arruinou "isto". Ao pé de Guterres, Sócrates é de menor importância para explicar a ruína económica e social do país. Mas o menino socialista-católico, que fugiu em 2002, continua a ter boa imprensa. Porquê? Porque anda a salvar os pobrezinhos do mundo. Cagou em nós, fugiu, mas como é uma Angelina Jolie sem decote tem boa imprensa.



por Henrique Raposo às 09:44 | link | partilhar

Jojó na música clássica

O "Boléro" de Ravel foi a primeira música de elevador da história. Chatinha, chatinha.



por Henrique Raposo às 09:36 | link | partilhar

Segunda-feira, 22 de Junho de 2009
Machado

Francisco José Viegas sobre Machado de Assis.



por Henrique Raposo às 19:21 | link | partilhar

As democracias são como os chapéus

Vale a pena lembrar, porque me parece que muita gente o confunde: o Irão é uma democracia. O que não é é uma democracia liberal.


Luciano Amaral



por Henrique Raposo às 15:49 | link | partilhar

Fonseca e Rodrigues

 

O universo de Fonseca e Rodrigues é muito parecido: sexo, violência, adultério, tragédia familiar, etc. Mas a forma como abordam esse universo é completamente diferente. Parecem gémeos no quê, mas inimigos no como.

Fonseca é o rei da secura. Fonseca parece um marciano observando os humanos. Donde a sua escrita é um espaço sem adjectivos. Nelson, não. Nelson é um dos nossos, ele faz parte dessa tragédia. Não é um marciano que observa. Ele está dentro da selva. Daí ser o rei da volúpia formal não contida, que está nos antípodas da escrita de Fonseca. 

 



por Henrique Raposo às 11:44 | link | partilhar

A vantagem de Obama sobre Bush? Não é idealista, e mantém a língua no saco

George W. Bush had repeatedly declared that the Iranian regime was a mortal enemy, that Iran was part of the Axis of Evil and that a military assault on the country was something he was considering. Obama has done the opposite, making clear that he views the Iranian people with warmth and would negotiate with whichever leaders they chose to represent them. In his Inaugural Address, his Persian New Year greetings and his Cairo speech, he has made a consistent effort to convey respect and friendship for Iranians. That is why Khamenei reacted so angrily throughout most of his response to the New Year message. It undermined the image of the Great Satan that he routinely paints in his sermons. (Of course, ever the ruthless pragmatist, he also carefully left open the door to negotiations with the United States.)

In his Friday sermon, Khamenei said that the United States, Israel and especially Britain were behind the street protests that have roiled Tehran, an accusation that will surely sound ridiculous to many Iranians. But not all: suspicion of meddling by outside powers is deeply ingrained among even the most Westernized citizens in Iran. The fact that Obama has been cautious in his reaction makes it all the harder for Khamenei and Ahmadinejad to wrap themselves in a nationalist flag.

 

Zakaria



por Henrique Raposo às 11:36 | link | partilhar

A economia não é uma "ciência"

... but I do not agree that Prof Ferguson’s position represents a retreat to a phlogiston state of economics. This is to take economics to be like a natural science, which Keynes never believed it was, because he thought its subject matter was much too variable over time.

 

Robert Skidelsky



por Henrique Raposo às 10:49 | link | partilhar

Sai um arrepio checo pra mesa do canto

 

 

 

Não, Jojó! Os primeiros dez segundos não são o início da banda sonona do Tubarão.



por Henrique Raposo às 10:25 | link | partilhar

E depois venham-me dizer que sou antiquado por não confiar na wikipédia e demais coisinhas livres da net

Dvorak .... foi um compositor do Romantismo do Império Austríaco, actual República Checa.



por Henrique Raposo às 00:12 | link | partilhar

Domingo, 21 de Junho de 2009
Que besta quadrada era Karl Marx

 

 

 

Nelson Rodrigues estava muito mal. Pensava mesmo que morria. Um colega do jornal pergunta "quais são as tuas últimas palavras, Nelson?". "Você promete que publica?", respondeu o bardo tarado. Ao receber o sim, dispara: "Que besta graduada era o Carlos Marx!".



por Henrique Raposo às 21:32 | link | partilhar

Os juízes-políticos

Noronha de Nascimento é o manda-chuva do nosso Supremo Tribunal de Justiça. Mas não parece. Nascimento comporta-se mais como um líder de um partido, tal é a sua ânsia de dar palpites sobre medidas políticas. O Expresso perguntou-lhe como poderíamos mudar as coisas na Justiça. Ele responde o seguinte: controlar o crédito ao consumo (ah?), e, segurem-se, fazer a regionalização. E eu fiquei pensando: mas este tipo é um juiz ou é o Vitalino Canas?

 

É exasperante a forma como os nossos juízes e procuradores tentam participar no processo político, coisa que fica muito a montante da sua posição de agentes da justiça. Os nossos juízes são de uma espécie à parte: os juízes-políticos.



por Henrique Raposo às 21:17 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009