Sábado, 2 de Maio de 2009
O nosso MP e os nossos juízes têm muito a aprender com Obama

“I will seek someone who understands that justice isn’t about some abstract legal theory or footnote in a case book,” he said. “It is also about how our laws affect the daily realities of people’s lives.



por Henrique Raposo às 11:52 | link | partilhar

O Supremo

Quando os jornalistas portugueses começarem a dar destaque a estas coisas, Portugal perceberá um pouco melhor os EUA. A União é um complexo sistema político e não um trono do Messias Negro ou do Sapo Texano.



por Henrique Raposo às 11:47 | link | partilhar

Ler

Vital estava a pedi-las, Ferreira Fernandes



por Henrique Raposo às 11:01 | link | partilhar

Afonso de Albuquerque ia gostar

Fragata portuguesa trabalha bem na costa da Somália



por Henrique Raposo às 10:50 | link | partilhar

Sexta-feira, 1 de Maio de 2009
Se querem perceber o que é a UE, têm de ler britânicos

Europe's Eastern Crisis - The Reality Test, de Anand Menon, uma das vozes mais lúcidas sobre assuntos europeus.

 

Hoje em dia, só em autores ingleses podemos encontrar a verdadeira UE. A grande maioria dos autores e jornalistas fala da UE como se esta fosse um Estado. O debate em torno da UE é feito sempre em torno daquilo que a UE poderá ser no futuro (a tal entidade federal). Ou seja, o debate em torno da UE está sempre preso numa ideia (melhor, num desejo de alguns) e não em factos. E os factos são estes: a UE não é um actor político, não é um estado, não veio substituir os estados. A UE é uma plataforma comum para os estados europeus. A UE é feita pelos Estados, e não o inverso. A UE não veio destruir o interesse nacional. A UE é uma forma civilizada - a mais civilizada da história - para os estados filtrarem os seus interesses nacionais.

Infelizmente, só encontramos esta UE, a verdadeira, junto de autores britânicos.



por Henrique Raposo às 23:12 | link | partilhar

E depois falam de "liberdade" e "tolerância"

Hoje, ficamos a saber que, para muita gente de extrema esquerda, estar sem emprego é algo que legitima dar porrada no candidato do governo.



por Henrique Raposo às 20:42 | link | partilhar

Os deuses de Shyamalan

 

 

 

1. O "Acontecimento" é um pequeno grande filme. Fez-me lembrar "A Pantera" do Jacques Tourneur, devido à forma como induz o medo. Nunca vemos a causa do medo; só vemos os efeitos do medo nas personagens. O vírus das árvores (não dos porcos) não tem rosto, naturalmente.

2. Eu adoro Shyamalan, porque este realizador adora recriar atmosferas religiosas. "Sinais" segue à risca a primeira regra de qualquer crente: não existem coincidências. Em "Sinais", Deus existe para dar ordem a todos os actos dos homens; no final de "Sinais", ficamos aliviados, porque, apesar do sofrimento, existe uma ordem arquitectada por um ser superior, uma ordem na qual nós encontramos um lugar seguro. E encontramos esse lugar seguro quando  descobrimos que não existem coincidências. 

Em "O Acontecimento", nada disso acontece. Aliás, "O Acontecimento" é o anti-"Sinais". Deus aparece aqui como um ser violento e vingador, que fustiga o mundo dos homens. O Deus de "Acontecimento" é um Deus que destrói a ordem construída em "Sinais". As personagens estão perante algo que não compreendem; sentem que estão a ser castigadas por uma força superior. E, no final do filme, não sentimos o conforto de "Sinais", mas sim um enorme desconforto apocalíptico. Mas, paradoxalmente (ou talvez não), este filme acaba por ser mais religioso: perante aquele acontecimento incompreensível, os homens só podem pensar o seguinte "perante isto, tem de haver um diabo e um deus". Sendo um pouco ímpio, diria que Shyamalan filma aqui o início da religiosidade, um início marcado pelo medo perante aquilo que não compreendemos.

 

 

3. Bom, é isso, ou Shyamalan quis apenas fazer a sua versão do Apocalipse prometido pela Greenpeace. Ou, então, só quis brincar com o espectador, fazendo medo. Na verdade, até gosto mais desta última explicação.



por Henrique Raposo às 19:53 | link | partilhar

Glucksmann sobre a crise

A melhor frase de um texto essencial:

 

It would be a good thing if fear of a universal crisis allowed us to burst the mental bubble of postmodernism



por Henrique Raposo às 14:52 | link | partilhar

O martelo e os pregos

Devido à crise mundial, a conversa sobre o proteccionismo tem sido uma constante. O proteccionismo, diz-se, é provocado pela pressão das populações; perante essa pressão, os governos não têm outra saída senão fazer proteccionismo económico.

Mas, se me permitem, o perigo maior não vem destas ânsias populares. O perigo maior advém das ânsias das elites políticas. E estas ânsias elitistas  resultam da falta de humildade. Querem perceber e resolver uma crise cíclica - de alcance histórico - em apenas alguns meses. Há uma total falta de humildade para dizer: “tenhamos calma, esta crise é cíclica e vai demorar a passar, fazer y ou x não vai resolver nada”. Esta falta de humildade resulta ainda do maior tabu da política moderna: as nossas elites não aceitam que nem tudo está ao alcance do Estado. O Estado, na cabeça do político moderno, é um Deus com a capacidade para tudo resolver. O Estado, na terra, é como Deus no céu: tudo sabe, tudo controla, tudo resolve. Quando têm o Estado na mão, os políticos julgam que todos os problemas são pregos à espera do martelo (i.e., auxílio estatal). Sucede que a maior parte dos nossos problemas não são pregos.

 

Esta pressa em revolver a crise faz lembrar o explorador nas areias movediças: quanto mais se mexe, mais se afunda. O pior é que serão os filhos do explorador a pagar por estes erros.



por Henrique Raposo às 12:55 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009