Terça-feira, 30 de Junho de 2009
Obama, Huntington ou Niebuhr?

Em resposta a esta crónica sobre Obama, recebi um texto de Guilherme Marques Pedro, doutorando de Teoria Política em Aberystwyth. Aqui fica. Em breve, tentarei responder. 

Obama leitor de um teólogo cristão, Niebuhr? A esquerda europeia aguenta isso?

 

O artigo que Henrique Raposo publicou na última edição do Expresso sobre as semelhanças entre o pensamento de Samuel Huntington (1927-2008) e a acção política de Obama, associando-o a um certo tipo de conservadorismo no que à política externa diz respeito, tem desde logo o mérito de tentar enquadrar a política externa ainda verde de Obama num contexto teórico e académico.  Importa contudo notar que grande parte daquilo que diz ser o realismo da presente administração - que opõe certeiramente ao idealismo republicano do Presidente Bush - tem pouco que ver com o trabalho de Huntington pelas razões que a seguir exponho. 

Apesar de concordar com os pontos em comum que Henrique Raposo sublinha, a visão de Obama para o mundo decorre muito mais da sua leitura atenta de Reinhold Niebuhr (1892-1971), um dos teólogos fundadores to realismo cristão na década de 30. Apesar de ter gostado de ler o artigo, importa lembrar que aquilo que celebrizou Huntington não foi propriamente o seu realismo, mas sim a sua visão algo catastrófica do futuro dos conflitos internacionais e a forma como foi mediatizada. Quer o realismo clássico de Niebuhr e, com imensas nuances, o de Hans Morgenthau (1904-1980), quer o realismo estrutural de Kenneth Waltz - com quem tive o privilégio de falar pessoalmente em Setembro passado a este respeito - são pouco dados ao sensacionalismo presente nas teses de Huntington e têm aliás afinidades com o pensamento político continental europeu - uma certa teologia política, um certo existencialismo disfarçado, adaptado ao republicanismo dos pais fundadores - que não transparece nos textos de Huntington. Esse realismo cristão é muito mais sóbrio e representa, acima de tudo, uma crítica ao idealismo liberal e capitalista e à sua fé no direito e na técnica e também às utopias pseudo-científicas do Marxismo (que ficou conhecida como 'hermeneutics of suspicion'). Assim, o realismo mantém uma réstia de esperança e de crença no ser humano - aquilo que foi posteriormente designado 'hopeful scepticism'. De resto, o anti-essencialismo de Niebuhr muito inspirado por Nietzsche, representa de facto um recuo da ética para a esfera individual decorrente de uma antropologia pessimista que assume que os grupos se comportam imoralmente quando comparados com os indivíduos - porque se sujeitam a relações de poder e, enquanto estados, tendem a ser mais egoístas que os próprios indivíduos. 

Assim, Niebuhr rejeita quer um certo tipo de idealismo de tendências universalizantes - de que são exemplos maiores a teoria da guerra justa ou o ideal da 'Democratic Peace' que inspirou a Sociedade das Nações - quer um tipo de cinismo que poderia conduzir os americanos à inacção, ao alheamento e ao isolamento extremo. No fundo, os realistas argumentam que a política externa não poderia cair na tentação do conformismo - a que a política doméstica se habituou e que a sua cultura de consumismo reproduz - quando pela frente se encontravam ameaças  como Hitler e, mais tarde, a União Soviética. Mesmo o 'clash of civilizations' é incomparável a essas ameaças, pelo menos por agora, nos perigos concretos que apresenta. Daqui resulta uma astúcia política que Obama tem sem dúvida demonstrado e que se caracteriza por uma prudência, temperada por uma mensagem de esperança - que sinceramente julgo que não vai dar em nada de concreto, mas nunca podemos menosprezar o efeito psicológico deste líder. Esta prudência não é um 'ter cuidado com os outros' mas aplica-se sobretudo ao próprio exercício de poder americano - uma espécie de 'eu tenho de ter cuidado comigo mesmo', uma Inward Prudence que a administração Bush não demonstrou. 

Quanto ao Liberalismo - que pode ter muitas definições que não vou aqui desenvolver - todo o Realismo manifesta portanto enormes reservas. Sobretudo o de Obama precisamente porque Niebuhr era, no climax das suas posturas realistas e bíblico-proféticas, na sua capacidade em alertar para a omnipresença do pecado nas relações internacionais e ainda assim lutar por maior justiça social e económica internamente, um pós-marxista - mesmo que discordando, como teólogo e pastor, do secularismo presente na esquerda radical. Encontramos nele uma advocacia da Democracia pela negativa, sem apologias do que de positivo o liberalismo oferece, apenas suportada por uma fé imbatível naquilo que o liberalismo é capaz de combater fora dele - muito na linha de Santo Agostinho: o governo como mal menor, sempre valorizado por oposição a males maiores e como segurança contra eles. Nas primeiras páginas do The Children of Light and the Children of Darkness encontramos a descrição da defesa agostiniana da Democracia Liberal, posta nos seguintes termos: 

'A capacidade do Homem para a justiça torna possível a democracia; mas é a sua capacidade para a injustiça que torna a Democracia necessária'. 

Ainda assim, a descrição que oferece da presente administração parece-me acertada. Simplesmente, o que Huntington tem de bom não é original. E o que tem de original não é muito bom, ou de qualquer forma, não se aproxima muito desta administração. Sobretudo há em Obama uma certa ideia de respeito pelo inimigo - de acordo com a célebre citação bíblica, frequente em Niebuhr: 'Love your Enemy' - ainda que tal atitude não afecte, segundo a boa tradição do pragmatismo americano, um convicta e firme oposição contra o mesmo. Há sobretudo um sentimento de prudência e de defesa (e não exportação) da Democracia no respeito por alguma relatividade dos valores que resulta da assunção da sua incomensurabilidade - uma ideia, de resto, muito weberiana, e presente em todas as incarnações do realismo. Assim, sem fazer da Democracia um veículo da 'righteousness' própria do neo-conservadorismo, em que a democracia se absolutiza em Cruzada, Obama pode menorizar os efeitos do clash cultural e moral que a globalização anuncia - e cuja antecipação não é da autoria de Huntington - e assim reconstituir o ideal americano de democracia, oscilando entre a consciência de experiência política contingente e destino histórico último.



por Henrique Raposo às 23:10 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009