Sexta-feira, 27 de Março de 2009
Carga pronta metida nos contentores

 

1. Em primeiro lugar, devo dizer que fico mui feliz com este comité de boas vindas preparado pela Fernanda Câncio.
 
2. Em relação ao ponto. Se bem percebi, a Fernanda diz que há miúdos ciganos nas turmas normais. E então? O facto de existirem ciganos nas “turmas regulares” não retira uma vírgula de imoralidade ao facto de existir um contentor cheio de ciganos apenas. Mais: não retira um ponto e vírgula de imoralidade às declarações infelizes da responsável do Ministério ("discriminação positiva") - e este era o ponto de partida da crónica.
 
Mais: nessa “turma especial” – a do contentor – não estão outros miúdos. Estão apenas ciganos. Se fosse uma “turma especial” – com dificuldades de aprendizagem – também teríamos outras crianças não-ciganas nessa turma. Não, não estão ali “pessoas” com dificuldades em aprender; estão ali ciganos separados das outras crianças. Uma medida, aliás, que foi bem aceite pelos pais das crianças ciganas. 
 
3. O problema é este, e convinha ser realista sobre a coisa, sem complexos:  os ciganos só colocam os seus filhos na escola para recolherem prestações sociais. Convinha começar a discussão por aqui. Os ciganos não vêem na escola um sítio onde os seus filhos podem aprender coisas. A escola é um sítio que representa um rendimento mínimo garantido. Ponto. A escola não é um sítio onde a criança cigana vai aprender a fazer aquilo que sonha ser. Porque o pai não deixa. O futuro de uma menina cigana é determinado - à partida - pela vontade do seu pai. Isto, antigamente, tinha um nome: "sociedade machista e opressora". Agora não sei o nome que dão a isto. Será "direitos culturais"? 
 
4. Já agora, a ideia de “turmas especiais” sempre me pareceu um tiro no pé. Colocar todos os alunos com “dificuldades de aprendizagem” na mesma turma pode facilitar a vida aos professores, mas isso representa um péssimo ambiente para os próprios alunos. Ficam estigmatizados logo à partida. É a “turma dos burros e dos mal comportados”. Muita gente vê o seu futuro enterrado no momento em que entra nestas turmas. Na minha escola, tinham o nome de “turmas complicadas”. De forma absolutamente criticável, os professores colocavam todos os alunos complicados numa turma. Era como meter todas as maçãs podres num único cesto. Claro que nesta turma nunca se aprendia nada. Porque a própria formação daquela turma partia do pressuposto de que eles não conseguiam aprender. Aqueles alunos eram mesmo uma carga metida – à pressa – em “contentores”.


por Henrique Raposo às 17:26 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009