Segunda-feira, 24 de Janeiro de 2011
2016: António Barreto

 

Coluna de hoje do Expresso online:

 

 

I. Uma matriz começa a desenhar-se: as presidenciais são o festival Sundance da política portuguesa. Nestas eleições, os chamados independentes conseguem fazer mossa nas produções do sistema. Foi assim em 2005 (Alegre), foi assim em 2011 (Nobre). E, para percebermos o espaço que existe para este tipo de candidatura, convém olhar para além dos números destes candidatos. Convém olhar, por exemplo, para os números da abstenção e, sobretudo, para os números dos votos brancos/nulos (um partido muito do meu agrado): 280 mil na eleição de ontem. Este partido branco/nulo é mais importante do que a nebulosa vaga e indefinível da abstenção. Estamos a falar de gente que vai lá dizer "olhem, arranjem-me um candidato em condições" . Fala-se muito na crise da democracia portuguesa e não sei quê. Desculpem, mas tenho de interromper esse choradinho do costume: estas 280 mil pessoas revelam uma enorme responsabilidade cívica e política de um eleitorado em plena maturidade. Aliás, esta gente consciente e descontente pode ser a base de alguma coisa com a capacidade para abrir uma janela de ar fresco dentro do regime.

 

II. Não apoiei nenhuma das duas candidaturas independentes. Alegre não é passível de apoio. Nobre apresentou-se com o habitual populismo anti-político. Uma coisa é criticar este regime, uma coisa é criticar estes partidos. Outra coisa, bem diferente, é adoptar uma retórica anti-política, anti-partidos. Mas é evidente que existe aqui um espaço por explorar. E um bom candidato independente pode ir muito mais longe do que Nobre e Alegre. Um independente com um discurso político sério (por ex.: um discurso sobre a reforma da justiça, que não é o mesmo que pedir "prisão para esses bandidos") pode vencer as eleições presidenciais.

 

III. Olhando à nossa volta, António Barreto é esse ás-de-trunfo que nos falta. António Barreto é o senador da política portuguesa. Barreto pode ganhar a eleição de 2016. Pode, pelo menos, ir à segunda volta com um dos candidatos do regime (Marcelo? Durão? Guterres?). Barreto é independente, sim senhora, mas não é anti-político. E isso faz toda a diferença. Em tudo o que diz e escreve, Barreto apresenta um discurso político irrepreensível. Mais: Barreto é uma das poucas pessoas que pensa a reforma deste regime, desde as leis eleitorais até à justiça. Mesmo que não vencesse, uma campanha com Barreto seria um acto político de grandeza ímpar. Uma janela de ar realmente fresco.

 

 



por Henrique Raposo às 09:09 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009