Segunda-feira, 18 de Maio de 2009
(Ainda) sou "turco", ou a pátria tardia de Robespierre

No Expresso deste sábado, publiquei este pequeno ensaio sobre a Turquia e a UE:

 

 

Em Novembro de 2008, tive oportunidade de passar uns dias entre a elite de Istambul (jornalistas, produtores de TV, etc.) [a convite destes senhores] De forma imprevista, esta viagem abalou a minha fé “turca”. Sempre defendi a entrada da Turquia na UE. Porém, ali, no terreno, percebi que a Turquia ainda não está pronta para ser “europeia”. Mas, atenção, o meu “sim” à Turquia manteve-se de pé. E por duas razões. Em primeiro lugar, a Turquia ainda pode evoluir no sentido certo. Em segundo lugar, o lado negativo da Turquia - ao contrário do que seria de esperar - não advém da religião, mas sim dos sectores jacobinos que controlam o Estado. Estes “kemalistas” conseguem ser mais jacobinos do que os franceses.
Por norma, o “não” à Turquia baseia-se num critério religioso. Segundo os defensores do “não”, a Turquia não pode entrar na UE por causa da sua natureza muçulmana. Este raciocínio fecha por completo as portas à Turquia, e transforma a UE num clube cristão. O meu argumento é diferente: a Turquia ainda não pode entrar na UE, porque o seu Estado tem traços ditatoriais. O problema não é religioso mas político, e, portanto, a Turquia ainda poderá congregar as condições necessárias para aderir à UE. Na Turquia, o problema não é o véu islâmico; o problema é, isso sim, a colecção de magistrados e militares autoritários. A democracia turca está à mercê desta elite jacobina que gosta de fazer golpes militares e judiciais em nome do secularismo. Ora, se conseguirem resolver estes problemas institucionais, os turcos devem ter a sua oportunidade europeia. Por isso, o meu “sim” permanece de pé. E este “sim” tem duas faces: interesses estratégicos e valores políticos. 
Ao nível dos interesses, devemos considerar três pontos. (1) A Turquia é essencial para a segurança energética europeia, dado que é a única forma de sairmos do cerco energético russo. (2) A Turquia é uma potência à moda antiga: tem influência na Ásia Central e detém um exército realmente capaz de matar em combate, coisa que dava muito jeito à PESD. (3) Do ponto de vista português, a Turquia - dentro das estruturas da UE – seria uma aliada contra os “grandes” do costume. Se a Turquia tivesse a dimensão de Malta, já teria entrado na UE, e a França estaria agora a cantar a tolerância religiosa da Europa. Mas, por acasos do destino, os franceses são laicos de manhã (para criticarem os EUA) e católicos à tarde (para afastarem os turcos).
Na escala dos valores, só existe uma pergunta em cima da mesa: queremos uma Europa regida por critérios políticos (democracia liberal), ou por critérios identitários (cristianismo)? Eu acredito numa Europa política. Cristãos e muçulmanos podem partilhar os mesmos princípios políticos assentes no constitucionalismo liberal. O que interessa não é a cultura, mas as instituições. O que conta não é a religião, mas a constituição. A Turquia não é um “Estado Muçulmano”. O Estado turco é laico; demasiado laico, aliás. A população turca é que é muçulmana. A separação entre a variável “Estado” e a variável “Sociedade” é aqui fundamental. Por todas estas razões, continuo a apoiar a Turquia. Se a Turquia cumprir os critérios políticos, então, tem tanto direito a estar na UE como Portugal. Mas é aqui que começam os problemas.
Como já afirmei, as instituições turcas ainda não estão afinadas. Os militares, por exemplo, vêem-se como os guardiões da revolução jacobina de Kemal Ataturk (1923). E, na defesa deste secularismo fanático, os ditos militares projectam demasiado poder no sistema político. Aliás, a Turquia faz lembrar Portugal entre 1974 e 1982: existe uma espécie de Conselho da Revolução turco, que mantém o país em “estado de emergência” revolucionário. A magistratura é outro problema. E nem sequer estou a falar do golpe constitucional lançado sobre o AKP. Estou a falar, sobretudo, da reduzida liberdade de expressão. Se um intelectual turco criticar a chamada “Turquicidade” (ligada ao legado jacobino de Ataturk, e não ao Islão), então, esse intelectual será condenado nos tribunais. 
Na “questão turca”, o problema não é Alá. O problema é outro: a Turquia é a pátria tardia de Robespierre.



por Henrique Raposo às 00:09 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009