Terça-feira, 21 de Abril de 2009
Freeport, o Gólgota de Sócrates

1. Nesta entrevista, ficámos a saber que José Sócrates, como qualquer político sul-americano que se preze, acha que é um "Cristo" situado acima da crítica. Mas deixemos para o fim o lado crístico de Sócrates.

 

2. Isto não foi bem uma entrevista. Foi mais uma passadeira vermelha. A RTP parece estar sempre disponível para ser um instrumento da agenda do governo. Há uns dois meses, Augusto Santos Silva entrou numa polémica qualquer onde dizia que “gostava de malhar”; uns dias depois, teve direito a uma entrevista na RTP. Durante a polémica da licenciatura, Sócrates foi à RTP para “defender a sua honra”. Agora, com o Freeport e com a tensão crescente governo/PR, novamente uma conveniente entrevista na RTP. Tudo isto parece dar razão às pessoas que vêem na RTP um instrumento do governo.

 

3. Sócrates, ao longo da entrevista, comportou-se como um patrão que é entrevistado por dois empregados. Sócrates usou e abusou do seu poder como PM para ser ele a dirigir a entrevista. Às tantas, parecia que a Judite de Sousa e o José Alberto de Carvalho é que eram os entrevistados. Sócrates queixa-se muito dos jornalistas, porque, diz o nosso PM, o criticam de forma injusta. Pois eu queixo-me dos jornalistas, porque, sistematicamente, não conseguem impor-se ao PM. Sócrates disse, dezenas de vezes, “deixe-me acabar, sff”, “não me interrompa, sff”. De forma irritante, Sócrates, mais uma vez, transformou uma entrevista num comício.

 

4. Alberto de Carvalho começa logo por comprar – ainda na introdução – a tese falaciosa do governo: a de que a nossa crise é o resultado da crise financeira internacional. Sócrates repetiu novamente essa tese. Esta tese está errada. Nós já estamos em crise há 10 anos. Há 10 anos que divergimos da Europa. Não é de agora. Em 2004, tivemos uma recessão quando o resto do mundo – e mesmo a Europa - tinha o período de crescimento mais intenso da história. A nossa crise é estruturalmente portuguesa; é uma crise que já existia antes da crise financeira internacional. A actual conjuntura apenas veio agravar o que já existia de errado (excessivo endividamento do estado e das famílias; défice de produtividade; escassa mobilidade laboral; modelo económico assente em obras públicas, etc.).

 

5. Sócrates acha que há uma “obrigação moral” em fazer investimento público agora. Sócrates parece desconhecer o seguinte: é “obrigação moral” de um país não tramar o futuro das gerações futuras. Os investimentos públicos (TGV, por exemplo) podem fazer bem a algumas estatísticas no curto prazo, mas põem em causa – ainda mais – o futuro do país. Não podemos deixar que Sócrates continue a governar a pensar no próximo ano apenas. Sócrates vive num mundo virtual, que desconhece a realidade: na realidade, já toda a gente percebeu que o TGV, por exemplo, tem de ser, no mínimo, adiado.

 

6. Sinal do nosso atraso económico e da falência do nosso modelo económico: passou-se imenso tempo a falar de auto-estradas, como se a auto-estrada fosse a nossa salvação. As auto-estradas podem dar jeito às construtoras, mas já não dão jeito ao país. Já chega.

 

 

7. Sócrates fez humor (humor involuntário, diga-se) quando tentou desligar as últimas declarações do PR da actuação do governo. Claro que o PR estava a dar um recado ao governo.

 

8. É muito grave a forma como Sócrates lida com a liberdade de expressão, com a liberdade dos jornalistas. Sócrates teve uma frase que me parece muito grave, porque é uma ameaça deliberada. Foi qualquer coisa como isto: “quando alguém coloca o meu nome no caso Freeport, então, estamos perante um acto de difamação”. E depois diz que processa pessoas que o difamam. Eis alguém que se julga acima da crítica; eis alguém que se julga um “escolhido”, e que, por isso, não tolera que o seu nome seja enlameado. Pior: Sócrates acha mesmo que isto é uma “provação”, uma “cruz às costas que tem de carregar”. Ficámos a saber, portanto, que o Gólgota de Sócrates é o Freeport. Estou comovido, confesso.



por Henrique Raposo às 22:41 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009