Sexta-feira, 13 de Setembro de 2013
Graças a António Costa, o meu prédio parece Nápoles





por Henrique Raposo às 08:00 | link | partilhar

Quinta-feira, 12 de Setembro de 2013
Nápoles? Não, Lisboa






Fotos retiradas deste blog


por Henrique Raposo às 14:25 | link | partilhar

O PCP no colo de Hitler



Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 08:03 | link | partilhar

Quarta-feira, 11 de Setembro de 2013
Amemos Rodrigo Leão (e Portugal)


Crónica de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 08:28 | link | partilhar

Terça-feira, 10 de Setembro de 2013
10 razões para amarmos Ronaldo

 

Crónica de hoje do Expresso online



por Henrique Raposo às 08:05 | link | partilhar

Segunda-feira, 9 de Setembro de 2013
O nosso George Best (III)


por Henrique Raposo às 14:56 | link | partilhar

O nosso George Best (II)


por Henrique Raposo às 14:53 | link | partilhar

O nosso George Best



por Henrique Raposo às 14:52 | link | partilhar

O aborto e a coragem de Francisco I



Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 09:22 | link | partilhar

Sábado, 7 de Setembro de 2013
A capela alemã



A crónica do Expresso desta semana


por Henrique Raposo às 08:13 | link | partilhar

Sexta-feira, 6 de Setembro de 2013
Dêem poder aos autarcas



Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 10:37 | link | partilhar

Quinta-feira, 5 de Setembro de 2013
As autarquias de Tocqueville



Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 08:35 | link | partilhar

Terça-feira, 3 de Setembro de 2013
A vulgata psicológica
pp. 56 e 57

 

"(...) O objecto desta fabulosa experiência científica é o 3:10 to Yuma (o original é de 1957, realizado por Delmer Daves;  o remake é de 2007, realizado por James Mangold). A história gira em torno de dois homens, o bandido (Ben Wade - Glenn Ford/Russell Crowe) e o pai de família (Dan Evans - Van Heflin/Christian Bale). Como já perceberam, o encanto da história deriva da colocação de um homem normal numa situação extraordinária. Não vou contar mais nada, para não ser desmancha prazeres. Vou apenas, como dizia há pouco, comparar a atmosfera de cada filme. E a diferença principal está na forma como se aborda o bandido, Ben Wade. O filme original não tenta explicar o comportamento do bandido, ou seja, não tenta explicar a origem do mal. O mesmo já não sucede no filme de 2007. Mangold tenta explicar o mal através dos traumas psicológicos: o pai era um pulha, e a mãe uma faraónica meretriz, logo, Wade só podia ser bandido. Esta justificação revela bem o ar do tempo das nossas sociedades, que vivem subjugadas por esta espécie de vulgata psicológica.  

Dentro e fora do grande ecrã, esta vulgata psicológica abole o indivíduo, abole a escolha consciente. No clássico, o bandido é bandido porque assim o escolheu. Mas, hoje, as nossas sociedades são incapazes de aceitar que alguém escolha livre e conscientemente um caminho, digamos, sinuoso. As pessoas não querem aceitar que, por exemplo, a vontade de poder tem vários caminhos, e muitos desses caminhos são ilegais e ilegítimos. E daí nasce a relação causa-efeito do remake: Wade é um bandidolas, porque (e só porque) foi maltratado pelos pais. No filme de 1957, temos um indivíduo. Neste filme de 2007, temos uma pulsão psicológica. Aquilo não é uma personagem, é um tomo de má psicologia (...) O mundo e o cinema eram bem melhores antes da vulgarização de Freud"



por Henrique Raposo às 11:05 | link | partilhar

Funcionários públicos: entre a cegueira do TC e a cobardia de Passos





Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 08:23 | link | partilhar

Segunda-feira, 2 de Setembro de 2013
Sobre a loucura constitucional da pátria

O TC é o ministério das finanças

 

Jorge Miranda acha que o meu dinheiro é dele

 

Caro funcionário público, os outros funcionários é que deviam estar indignados

 

Isto é que é desigualdade: desempregados da função pública são apenas 1,9% do total

 

As pensões não são propriedade privada

 

Juízes do TC violam separação de poderes

 

Juízes do TC podem reformar-se após 10 anos de trabalho

 

A farsa do socialismo: a realidade é inconstitucional



por Henrique Raposo às 18:29 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009