Sexta-feira, 31 de Maio de 2013
FC Porto, a primeira sucursal do Benfica



Crónica de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 08:03 | link | partilhar

Quinta-feira, 30 de Maio de 2013
Um conservador não olha para trás, olha para cima


Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 09:25 | link | partilhar

Quarta-feira, 29 de Maio de 2013
Uma direita casada com o direito natural, e não com a história (III)

 

"(...) Pensando como britânicos, e sentindo-se britânicos, os colonos americanos queriam ser tratados como britânicos, mas, na prática, eram tratados como súbditos menores. Aos olhos de Burke, esta actuação do poder britânico na América representava a usurpação das regras e dos valores britânicos; dizer não às reivindicações dos colonos era o mesmo que desrespeitar as regras que faziam a liberdade na Grã-Bretanha. E foi esta contradição entre o poder britânico e os princípios britânicos que acabou por legitimar 1776 [1]. A revolução americana foi, portanto, uma revolução conservadora[2]: a geração dos founding fathers, liderada por homens como John Adams[3], lutou para repor os seus direitos de cidadãos britânicos, que estavam a ser usurpados pela coroa britânica (...)"





por Henrique Raposo às 20:30 | link | partilhar

Uma direita casada com o direito natural, e não com a história (II)

"(...) John Adams acreditava, como Jefferson, no direito natural[i]. E se o utópico e sonhador Jefferson era proprietário de escravos na Virgínia, o céptico e conservador John Quincy Adams foi um dos grandes adversários da “peculiar institution”[ii]. Mas, apesar da crença no direito natural, os Adams eram cépticos em relação à existência de uma Humanidade benigna ou de uma Razão salvadora. Seguindo David Hume, e criticando o optimismo de Jefferson, John Adams afirmava que “todos os projectos de governo fundados na suposição ou expectativa de elevados graus de virtude são, evidentemente, quiméricos”[iii]. Para Jefferson, a Liberdade – sempre com maiúscula – estava no coração dos homens. Para Adams, as liberdades resultavam da Constituição e das instituições como o Supremo. Neste conservadorismo liberal, não há “love for freedom” num Homem pré-constitucional; há apenas “liberty under law” entre os homens a viver sob a guarida do constitucionalismo[iv]. Como dizia uma das grandes influências dos federalistas, Montesquieu, as pessoas só têm liberdade quando são governadas por leis civis. Uma pessoa livre é livre porque vive sob a alçada da lei[v] (...)"





por Henrique Raposo às 20:26 | link | partilhar

Direito Natural

Excerto de um ensaio - "De Ratzinger a Vieira" - publicado no Atual de 16 de Fevereiro

 

"(...) A par deste embate com a imanência do positivismo radical, Ratzinger tem combatido a imanência do relativismo. E aqui entramos no segundo tópico que convoquei para este pequeno ensaio: os direitos humanos. Embora invoquem constantemente os direitos humanos, as nossas sociedades já perderam o rasto à origem dos tais direitos humanos. Sim, os direitos humanos são um efeito, são uma consequência do Direito Natural, a causa esquecida. Mas o que é o Direito Natural? É um sacrilégio tentar colocar séculos de pensamento numa casca de noz, mas vou tentar: o Direito Natural é a predisposição ética que nos garante um ângulo crítico sobre os diversos poderes que actuam na realidade, na história. Tal como tem salientado Ratzinger, o Direito Natural é uma atitude intelectual e moral que desafia o Poder, a Cidade, o Príncipe, o Direito Positivo. E esse desafio é feito através da seguinte afirmação moral: o Poder não é sinónimo de Verdade, as leis de um dado país não são donas da razão, isto é, os governos e os tribunais não têm o monopólio da moral e da legitimidade; a legalidade até pode ser legítima, mas ‘legalidade’ não é sinónimo automático de ‘legitimidade’. Por outras palavras, devemos ter sempre a consciência de que os direitos humanos “pertencem ao homem por natureza” e “que o Estado os reconhece, mas não os confere” (Ratzinger dixit). Os direitos humanos são, portanto, os direitos inalienáveis que nascem do Direito Natural (...)



por Henrique Raposo às 20:11 | link | partilhar

Uma direita casada com o direito natural, e não com a história

"(...) Em primeiro lugar, Lincoln reconsagrou a ideia de que “All men are created equal”, e, portanto, o povo americano não poderia acreditar nesta verdade auto-evidente e, ao mesmo tempo, manter a escravatura (“If slavery is not wrong, nothing is wrong”[i]). Em segundo lugar, Lincoln reafirmou a ideia de que – em assuntos fundamentais - a Constituição federal tinha poder de veto sobre os diferentes estados da União americana. Ao contrário do que pretendia o sulista Stephen A. Douglas, a questão da escravatura não podia ser decidida ao nível de cada estado, mas sim ao nível federal. Dentro de uma civilização que respeita o direito natural, a escravatura é uma questão ética resolvida à partida, e não tem discussão eleitoral. Mesmo que a maioria da população dos estados do sul dissesse sim à escravatura, tal maioria nunca seria legítima. Ao manter estes princípios, Lincoln destruiu uma possível ideia de América: a América enquanto império branco, baseada num relativismo historicista[ii] e racista. Segundo Harry Jaffa, este relativismo historicista dos confederados fazia parte da mesma corrente que culminou com o nazismo e o comunismo do outro lado do Atlântico[iii] (...)"





por Henrique Raposo às 20:02 | link | partilhar

Irmandades












por Henrique Raposo às 08:29 | link | partilhar

As maminhas de Jolie são filosóficas


Crónica de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 08:17 | link | partilhar

Terça-feira, 28 de Maio de 2013
O que é possível não é necessariamente legítimo.

 

Excerto de um ensaio - "De Ratzinger a Vieira" - publicado no Atual de 16 de Fevereiro

 

(...) Mas, infelizmente, este cientismo passou a ser o código moral das sociedades europeias. Ou seja, as nossas sociedades têm uma moral amoral. Sim, amoral. Porque a ciência e a tecnologia não estão no campeonato da legitimidade moral. Não é a ciência que determina se a prática x é legítima ou ilegítima; a ciência só determina se a prática x é possível. Aquilo que é possível fazer no campo material nem sempre é legítimo no campo moral. Exemplos? A eugenia é cientificamente possível, mas essa possibilidade não lhe dá legitimidade; é possível fazer um aborto depois das 10 semanas, mas essa possibilidade não dá legitimidade a essa prática. Portanto, a ciência não pode ser o centro da nossa moralidade. A moral de uma sociedade tem de ter uma dimensão transcendente, isto é, tem de possuir algo que escape à imanência (a imanência da ciência neste caso). E, mais uma vez, convém perceber que este argumento ratzingeriano não é um ataque à ciência. Pelo contrário, é uma defesa da ciência. Para ser realmente científica, a ciência não pode entrar nos debates morais. Aliás, o que é específico da ciência é a sua amoralidade. Não, não estou a dizer que os cientistas são amorais ou imorais, estou apenas a frisar que o método científico é amoral e, por isso, não pode ser a base moral da sociedade. Quando esquecemos este ponto, surgem coisas como aquele artigo científico que dizia que matar um bebé é o mesmo que fazer um aborto, pois as capacidades cognitivas de um bebé de seis meses são idênticas às de um bebé que ainda está na barriga da mãe. Mesmo que tenha verdade científica, este facto não confere legitimidade moral a um infanticídio (...)



por Henrique Raposo às 14:53 | link | partilhar

Cavaco Silva não é palhaço, mas é um político cobarde



Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 07:46 | link | partilhar

Segunda-feira, 27 de Maio de 2013
Cavaco e a falácia do bom-nome

 

"... O Presidente julga que o nome Cavaco Silva lança uma luz de pureza sobre as coisas. Lamento, mas não é assim. Não é assim com José Sócrates, não é assim com Cavaco Silva, não é assim com a Águia Vitória, não é assim com o Papa. A presunção de Cavaco não é uma explicação. Aquela lengalenga do eu-sou-mais-puro-do-que-os-outros-porque-não-sou-político-profissional não é uma explicação. Estamos a falar de transparência de um titular de um cargo de soberania, logo Cavaco devia ter explicado as coisas de outra forma (...)  Naquela época, o BPN era legalíssimo e o Dias Loureiro e o Oliveira e Costa eram "pessoas honradas", segundo o Banco de Portugal. O problema é que Cavaco é demasiado arrogante para admitir que a sua pureza esteve associada a pessoas menos transparentes. É assim na terra do bom-nome".



por Henrique Raposo às 14:10 | link | partilhar

Sócrates e a falácia do bom-nome

"... A liberdade respeitosa de Sócrates assenta num malabarismo jurídico: o primeiro-ministro José Sócrates, o homem público que deve ser escrutinado sem piedade, esconde-se atrás do direito ao bom-nome do José. Ou seja, quando não gosta das críticas dirigidas à sua conduta pública, Sócrates invoca que o José ficou ofendido; uma crítica pública dirigida ao primeiro-ministro é assim transformada numa ofensa pessoal. Truque catita, ah! E não fica por aqui. Além de proteger o primeiro-ministro das críticas, esta artimanha legitima manobras impróprias, como se viu nos últimos dias. Os adeptos do socratismo acham normal que o José aplique uma pressão mui privada, ora essa, sobre os média. No país da liberdade respeitosa, o José pode andar a telefonar para as redacções com o objectivo de congelar as perguntas incómodas que é preciso fazer a José Sócrates. E, claro, a pressão do José sobre um executivo de televisão é uma mera "conversa privada...".



por Henrique Raposo às 14:08 | link | partilhar

A defesa de Rui Rio e do Porto contra Gaspar


Coluna de hoje do Expresso online


por Henrique Raposo às 10:17 | link | partilhar

Passos, o desperançoso

 

Crónica do Expresso desta semana



por Henrique Raposo às 10:14 | link | partilhar

Sexta-feira, 24 de Maio de 2013
Um filme já visto

Os dois tipos são "convertidos". Não têm raízes no Médio Oriente. Converteram-se ao islamismo radical em Londres.


por Henrique Raposo às 14:58 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009