Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2011
Pá, acabem com a SIC

É normal todo este ódio em relação à ideia de um serviço público prestado por privados. Nós só tivemos um TV privada em 1992. 1992. Em 1982, a maioria também devia defender que a TV, um serviço público, só podia estar nas mãos do Estado. Aliás, ao fazer RTP-N, o Estado continua a achar que a SIC-N não é serviço público.

Portanto, está tudo normal. Em 2020, vamos chegar ao cheque ensino, duas gerações depois da Suécia. Está dentro da média. Não faz mal.



por Henrique Raposo às 21:21 | link | partilhar

Um desporto nacional:

destruir escolas católicas, só porque são católicas. Pombal fez isso. Os republicanos fizeram isso. É uma tradição, com ótimos resultados. Na Alemanha, essa terra bárbara, há imensas escolas religiosas apoiadas pelo contribuinte. Quem diria. Somos muito avançados.



por Henrique Raposo às 21:15 | link | partilhar

Pá, então acabem com a ADSE

1. Argumento que é dado para acabar com as escolas privadas com contratos de associação com o Estado: "o Estado não deve financiar privados. Se querem ensino privado que paguem". Pois, muito bem: apliquem esse belo raciocínio à ADSE. O Estado não tem nada que financiar privados. Não tem nada que dar dinheiro a hospitais privados, não tem nada que dar dinheiro ao funcionário público para ele ir à procura do serviço de saúde que bem entender. Os funcionários públicos que vão aos hospitais públicos, pá, como toda a gente.

 

2. Nova aplicação desse raciocínio: vamos, então, retirar a ADSE aos professores das escolas estatais. Por que razão um professor de uma escola estatal tem direito a um seguro de saúde que lhe garante liberdade de escolha, quando o resto da população não tem direito a essa opção? Ou será que as stôras não têm direito à ADSE?

 

3. A ADSE é uma boa solução. A ADSE aplicada às escolas também. É preciso acabar com esta dicotomia rígida público/privado. O que interessa é o serviço público. E esse serviço público pode ser feito por actores não estatais.



por Henrique Raposo às 20:52 | link | partilhar

O que faz falta aos nossos políticos e analistas?

Passar uma semana numa empresa (só uma semana) para sentir esta agonia: há ou não dinheiro para pagar os ordenados?



por Henrique Raposo às 19:36 | link | partilhar

Sócrates, por Rui Unas

 

 

 



por Henrique Raposo às 17:24 | link | partilhar

A lógica da educação, versão PS

1. A OCDE é clara: apoiar as famílias a escolher as escolas dos seus filhos é mais barato do que manter escolas estatais. Não estou apenas a falar da liberdade de escolha. É que essa liberdade de escolha é mais barata do que manter um sistema de escolas estatais onde não existe liberdade de escolha. Ou seja, o nosso modelo junta o inútil ao desagradável.

 

2. O nosso ministério não divulga os custos das escolas estatais.

 

3. O nosso ministério está a cortar apoio a escolas que fazem serviço público de ótima qualidade e a um preço mais baixo do que as escolas estatais.

 

4. Expliquem-me qual é a lógica disto? Devíamos estar a alargar os contratos de associação, não a cortar nos ditos contratos.



por Henrique Raposo às 15:09 | link | partilhar

O ministério da Fenprof

1. O nosso ministério da educação é o ministério da Fenprof. A Fenprof e ministério fingem que são adversários, mas, na verdade, são faces da mesma moeda: um sistema de ensino centralizado que não admite pluralidade. Um sistema de ensino plural retiraria poder à Fenprof. O centralismo da 5 de Outubro é aquilo que alimenta a Fenprof. É uma pena que os professores não percebam isso. É uma pena ver os professores deste país a fazer o jogo de um sindicato alinhado com o PCP.

 

2. Os professores queixam-se, e com razão, que são escravos do ministério. Mas depois não levam essa indignação até ao fim, e continuam a defender um sistema de ensino ultracontrolado pela 5 de Outubro. Têm medo de um sistema de ensino descentralizado e assente nos contratos de associação. E têm medo porquê? Porque não querem a responsabilização que acompanha esse processo de descentralização? Ou é só medo da mudança?

 

3. No tempo da educação, tudo se resume à protecção do estatuto da carreira docente dos professores das escolas estatais? É isso?



por Henrique Raposo às 14:00 | link | partilhar

Os bloqueios políticos

1. Quando é que o BE será um parceiro natural do PS? Quando é que os bloquistas terão a lucidez para serem "Os Verdes" do nosso SPD? O regime não pode continuar a ter esta incapacidade para fazer coligações à esquerda. É um absurdo. É como ter de viver com as consequências do PREC em 2011. A morte política de Louçã e de tudo o que ele representa será aqui fundamental.

 

2. Para onde vai este semi-presidencialismo? António Barreto está certo nas críticas que faz ao sistema? O regime deve evoluir no sentido de dar mais poder ao presidente, tal como defende Paulo Rangel? Ou o Presidente deve perder poder e legitimidade eleitoral (ou seja, o presidente deve ser escolhido pelo parlamento e não pelo povo?)



por Henrique Raposo às 11:10 | link | partilhar

Um desafio ao eurocentrismo

 

1. Um dia, eu gostava de ver os ocidentais a discutir o Médio Oriente (ou qualquer outro cenário) fora da caixa. Há um problema no Médio Oriente, e a malta vai ler o Ny Times ou o Le Figaro, quando existem jornais da região disponíveis em inglês, como o Today's Zaman. Fala-se do Japão, e a malta lê o Le Monde e o The Guardian, quando so jornais japoneses têm edições em inglês.

 

2. Para falar sobre uma dada região, convém conhecer - pelo menos - as percepções das pessoas daquela região. Percepção, uma variável de estudo que não pode ser desprezada.



por Henrique Raposo às 10:49 | link | partilhar

Egito: uma novo Irão ou uma nova Turquia

 

Coluna de hoje do Expresso online:

 

(...)

 

O Ocidente não pode dizer não à emergência de uma democracia mesmo quando essa emergência democrática significa a verbalização do ódio contra o Ocidente, contra os EUA, contra Israel. Quer dizer: a esquerda parisiense e lisboeta faz o mesmo, e nós continuamos vivos. E uma democracia de muçulmanos não é o mesmo do que um regime islamita, tal como uma democracia de cristãos não é o mesmo que viver sob o jugo das Bruxas de Salém. É isso que a Turquia mostra todos os dias.

 

(...)

 

Se duas Turquias seriam uma bênção, duas Pérsias totalitárias seriam um pesadelo.



por Henrique Raposo às 09:27 | link | partilhar

Domingo, 30 de Janeiro de 2011
ADSE aplicada à educação

1. As pessoas que defendem o fim do corte do serviço público feito em escolas privadas devem ser coerentes, isto é, também devem defender o fim da ADSE que é um serviço público feito em hospitais e clínicas privadas.

 

2. Na saúde, o modelo da ADSE deve ser alargado à população por inteiro. A ADSE devia ser o nosso SNS. Na educação, o modelo de serviço público em escolas privadas resultou, e resulta. É mais barato e tem melhores resultados pedagógicos. Esta ADSE aplicada à educação não pode ser esmagada só porque o ministério tem uma visão comunista da sociedade.



por Henrique Raposo às 14:17 | link | partilhar

Sábado, 29 de Janeiro de 2011
Sobre o Egito

 

1. Um filme do egípcio Chahine que mostra o lado esquecido e arejado do Islão, o lado representado pelo filósofo Averróis. Esticando muito a corda, diria que El-Baradei, a via reformista, é o herdeiro de Averróis.

 

2. Em 1979, uma coligação muito confusa derrubou o Xá. Havia de tudo naquela coligação, desde liberais e democratas até socialistas e comunistas. Mas quem ganhou a coisa, como se sabe, foi o lado negro da força: o fundamentalismo islamita. Tendo em conta os relatos que chegam, esta coligação voltou a emergir no Egito. Espera-se que desta vez os reformadores liberais e democratas consigam alcançar o poder.

 

3. O pai do totalitarismo islamita, Qutb, era egípcio e ajudou a fundar a Irmandade Muçulmana, uma coisa que continua activa e que deve andar por aquelas ruas.

 

4. Sobre a promessa de um Médio Oriente democrata e liberal, ler aqui Saad Eddin Ibrahim, um dos grandes intelectuais egípcios.



por Henrique Raposo às 15:10 | link | partilhar

Perceber a Alemanha (V)

"A Vida dos Outros" (2006) é um retrato dessa esterilização comunista chamada República Democrática Alemã (1949-1989). Neste filme de F. H. von Donnersmarck, podemos ver a forma como o big brother comunista esterilizou a Alemanha de Leste, o lado azarado do Reich pós-1945. E, quando um agente da Stasi entra no caminho da redenção, "A Vida dos Outros" deixa de ser um fresco histórico e passa a ser uma fábula. Um conto de fadas anticomunista, se quiserem. Portanto, esqueçam o "Toy Story": "A Vida dos Outros" é o filme ideal para as criancinhas.



por Henrique Raposo às 13:38 | link | partilhar

Série "grandes frases"

"Diria que a dimensão 'heróica' convive mal com a crónica literata deste tempo de impostores".

Eduardo Pitta, ontem no Y.

 



por Henrique Raposo às 13:30 | link | partilhar

Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2011
Nós aqui na conversa, e o Egito a rebentar

http://english.aljazeera.net/watch_now/



por Henrique Raposo às 15:54 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009