Sexta-feira, 31 de Dezembro de 2010
Contra aqueles que passam a vida a dizer "só em Portugal"

1. Ler este blog de um americano a viver no Algarve. Vejam este post, por ex.

 

2. "Sim, Conseguimos"



por Henrique Raposo às 16:39 | link | partilhar

Família e os 80's

Crónica da semana passada.



por Henrique Raposo às 09:41 | link | partilhar

A minha descoberta de 2010

 

Coluna de hoje do Expresso online:

 

(...)

 

Ou seja, Rentes não escreve com aquela prosa pedante e nevoenta dos Vergílios Ferreiras. Sobre o romance "A Amante Holandesa" (Quetzal), Bruno Vieira Amaral, no i, já disse tudo . Gostaria apenas de acrescentar que estamos na presença de um romance raríssimo na nossa literatura, porque, oh! heresia, tem um plot, um enredo bem montado, porque não tem medo de contar uma estória ao mesmo tempo que traça um fresco social (entre a Bragança das mães e meninas e uma aldeia onde existe aquela violência que apenas o "Correio da Manhã" apanha).

 

II. No diário "Tempo Contado" (Quetzal), Rentes de Carvalho confessa a admiração por um romance de João Ubaldo Ribeiro: "Sargento Getúlio" (Edições Nelson de Matos), esse fabuloso retrato do sertão brasileiro feito através de um vertiginoso monólogo. Nesse livro, Ubaldo capta o vocabulário das gentes locais, e o dito monólogo é feito com esse vocabulário popular e até com os erros ortográficos e gramaticais. Rentes não tem esta ambição quase etnográfica de Ubaldo, mas também recupera um português antigo, um português telúrico que estava esquecido. Para a geração educada na americanização da linguagem (andar à porrada é bullying; trabalhar bem é networking), o português de Rentes é quase uma nova linguagem: "monturo", "vou-me a passear pela alameda", "pertinácia", "felizmente chegamos sem empeno", "amesendamos num restaurante", "dia cinzento como o de ontem, mas morrinha em vez de nevoeiro", "no quarto de banho ponho-lhe um esparadrapo","manhã gris, ventosa e tristonha" (itálicos meus).

 

(...)



por Henrique Raposo às 09:21 | link | partilhar

E o relatório "Pizza"?

Relatório 2010. Alunos não sabem raciocinar nem escrever



por Henrique Raposo às 09:11 | link | partilhar

Quinta-feira, 30 de Dezembro de 2010
Amplitudes térmicas:

Ouvir Sibelius enquanto se escreve sobre um brasileiro.



por Henrique Raposo às 19:44 | link | partilhar

O natal é quando Dean Martin quiser

 

 

 

 

 

Espero que o Nuno Miguel Guedes aprove este post.



por Henrique Raposo às 17:31 | link | partilhar

A metamorfose do tuga ao volante

 

"Homem carinhoso, atento, personificação da bondade, ao pegar no volante o Joaquim encarna num tigre-de-bengala e ruge, buzina, acelera como nas corridas, trava no último centímetro, ultrapassa por onde pode ou usa o passeio, enfia destemido pelos sentidos proibidos".



por Henrique Raposo às 16:20 | link | partilhar

Irmandades afetivas

 

 

Sem dar por isso, associo sempre Camus a Truffaut numa espécie de irmandade afetiva. É como se Truffaut fosse o Camus do cinema, ou vice-versa. Da mesma forma, associo sempre Godard a Sartre. Adoro a primeira irmandade, não tenho saco para a segunda (e não, não por causa dos óculos). 

 





por Henrique Raposo às 14:04 | link | partilhar

Um Estado amantizado

 

 

coluna de hoje do Expresso online:

 

(...)

 

Ora, isto parece indicar uma coisa muito simples: o principal culpado pelo nosso monumental défice comercial é a despesa do Estado. O nosso querido Leviatã anda mui amantizado com as importações.

 

II. Além disso, estes números põem em causa um dos principais mitos do regime, um mito que até Cavaco Silva gosta de ter debaixo do braço: o Estado, diz esta lenda, é fundamental para estimular a economia. Ora, estes e outros números indicam precisamente o contrário: o Estado não é o motor da economia.

 

(...)



por Henrique Raposo às 08:48 | link | partilhar

Quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010
Muito além do amiguismo

A revelação do ano, na bloga e sobretudo no papel (no papel é que se vê), foi Bruno Vieira Amaral. O Bruno faz da crítica de livros um acto de compreensão. Compreensão steineriana. As críticas do Bruno são crónicas onde se pode ler um talento filtrado pelo rigor. Um talento não filtrado torna-se enjoativo.

 



por Henrique Raposo às 16:22 | link | partilhar

A importância dos debates

Já quase que sei o nome do Devedor de Moura.



por Henrique Raposo às 16:03 | link | partilhar

Com aquela "lei de imprensa", estes senhores podem liderar a UE?

 

A Europa não é só o euro.



por Henrique Raposo às 12:32 | link | partilhar

A crise moral que está antes da crise económica

(...) A vida vai-se fechando num círculo cada vez mais privado. As pessoas cruzaram os braços, estão indiferentes, anestesiadas. Cada um a tratar da sua vidinha. A pensar na carreira. A ganhar dinheiro. O resto não vale a pena, nem justifica "sujar as mãos". Com a crise sobra ainda menos tempo para a vida pública. A política perdeu espaço, basta ver o alinhamento dos telejornais. E o pouco espaço que resta é para falar dos "casos". Não se vai a fundo acerca de nada. Esta despolitização, este fechamento numa lógica privada é preocupante. Faz lembrar o pior do salazarismo. A política encolheu e perdeu qualidade. Mais do que a crise económica, este será porventura o pior legado dos governos Sócrates: a apatia generalizada, a decadência da nossa vida pública de que vamos demorar a recuperar.

 

Paulo Marcelo, Diário Económico



por Henrique Raposo às 10:05 | link | partilhar

A outra África

 

 

Coluna de hoje do Expresso online

 

 

I. Os media ocidentais só prestam atenção a África quando surge algo como a presente situação na Costa do Marfim. Para os nossos media, "África" quer dizer "sangue" e "pobreza". É por isso que muita gente ainda não sabe que existem democracias consolidadas e - relativamente - prósperas em África: Mali, Gana, Benim, Namíbia, São Tomé & Príncipe, África do Sul e Botswana. Como não têm "sangue" e "violência" para dar, estes países não aparecem na CNN ou Sky News; estes países são factos empíricos que não encaixam na narrativa apocalíptica que o Ocidente gosta de reproduzir sobre África. O que é uma pena. Os outros países africanos não vão sair do buraco através dos conselhos morais e abstractos dos ocidentais. Os outros países africanos só encontrarão o caminho da boa governança quando quiserem olhar para as práticas dos seus vizinhos que têm a cor verde no mapa da liberdade . As Angolas só caminharão para a democracia e prosperidade quando quiserem olhar para o exemplo que o Botswana oferece há várias décadas.

II. O Botswana (1.8 milhões de habitantes) é o líder moral, digamos assim, desta África minoritária e democrática.

 

(...)



por Henrique Raposo às 08:59 | link | partilhar

Terça-feira, 28 de Dezembro de 2010
Manos

 

 

A experiência moral que é ver o mundo pelos olhos de um assassino ou de algo ainda pior.

 



por Henrique Raposo às 15:05 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009