Sábado, 31 de Julho de 2010
ADSE

Obrigado. É mesmo ali que dói, não é? Mas ataquem os argumentos, não a pessoa. Eu sei que é difícil, mas tentem. E coisa fixe era ver os funcionários públicos a defender o alargamento da ADSE a toda a gente. O privilégio vem do facto de a ADSE (que é melhor sistema) ser apenas dos senhores funcionários públicos. Mas alargar a ADSE a toda a gente é o mesmo que dar dinheiro aos malvados privados? É neoliberalismo? É destruir o SNS?



por Henrique Raposo às 12:44 | link | partilhar

Sexta-feira, 30 de Julho de 2010
Adoro a esquerda neo-mega-liberal

Confesso que não percebo por que razão não se avança imediatamente para um processo disciplinar e, dependendo do resultado do mesmo, para o despedimento dos dois senhores procuradores. Por justa causa.

 

João Galamba, na defesa da flexibilidade laboral.



por Henrique Raposo às 18:40 | link | partilhar

A frontalidade tem regras

A frontalidade exige, pelo menos, 1000 cc frontais e verbais. A frontalidade não cabe numa sms. Em sms, a frontalidade passa a ser pulhice.



por Henrique Raposo às 15:41 | link | partilhar

Interesse nacional, ou o Interesse do BES?

Objectivamente, o "interesse nacional" de Sócrates serviu apenas uma coisa: dar mais uns milhões ao BES e aos amigos da Ongoing.



por Henrique Raposo às 12:30 | link | partilhar

Sim, ok, mas e o caso Lopes da Mota?

(...)

2. O caso começa a fazer ainda menos sentido quando o advogado de Lopes da Mota dá a entender que as pressões vieram do próprio procurador-geral da República e da directora do DCIAP, Cândida Almeida. Como salientou um editorial deste jornal, uma coisa é certa no meio desta confusão: existiram pressões no sentido de beneficiar o primeiro-ministro.

3. Eu não sei se há gente corrupta ou corrompida nesta história. Mas sei que o Ministério Público está institucionalmente desfeito. É bom lembrar que Cândida Almeida fez parte da comissão de honra de Mário Soares em 2006. É aceitável este tipo de comportamento por parte de uma procuradora? Não, não é. E as regras internas do Ministério Público deviam ser claras a esse respeito. O procurador-peral da República devia ter o poder para impedir que um procurador crie, através dos seus actos, um clima de promiscuidade entre justiça e partidos.

(...)



por Henrique Raposo às 12:12 | link | partilhar

Os tugas e os incêndios

Quando se viaja pelo país, há uma coisa que magoa os olhos, a cabeça e o coração: o desprezo que os portugueses têm por Portugal. Os incêndios reflectem esse desprezo.



por Henrique Raposo às 11:52 | link | partilhar

Priscila

Cara Priscila, eu explico:

 

 

 

 

 



por Henrique Raposo às 11:47 | link | partilhar

Quinta-feira, 29 de Julho de 2010
As perguntas

O que incomoda nesta entrevista não são as respostas de Almeida Santos, mas as perguntas.



por Henrique Raposo às 14:28 | link | partilhar

Da série "senhor k." (II)

O senhor k. vai ao SAP

 

Falemos então de saúde. Tomemos como exemplo o senhor K. O senhor K. ganha 700 euros por mês – menos do que a média nacional – e tem contratos mensais com uma empresa de trabalho temporário, embora exerça funções numa grande empresa nacional. Um dia, o filho do senhor K. queixa-se de dores no ouvido. É sábado e o senhor K., que faz os seus descontos para a Segurança Social e não tem seguro de saúde, leva o filho ao Serviço de Atendimento Permanente. Paga uma taxa mínima (3 euros?) por uma consulta que não demora mais de 10 minutos. O diagnóstico é uma otite. O médico receita um antibiótico. Uma semana mais tarde, o filho do senhor K. continua com dores. Regressam ao centro de saúde, pagam a taxa e são atendidos por outro médico. O antibiótico não era o adequado. Novo antibiótico. Uma semana depois, a criança ainda tem dores. Como o senhor K. não é maluco e a saúde do filho é uma coisa que o preocupa decide marcar consulta num médico particular. Paga 80 euros. A otite é violenta. A criança vai ter de levar injecções e vão ter de fazer uma análise para determinar que tipo de bicharoco é aquele. Quando tem o resultado das análises, o senhor K. regressa ao médico. Mais 80 euros. A criança apresenta melhorias mas vai ter de fazer um tratamento durante dois meses, porque com as otites não se brinca. A criança recupera e encontra-se bem.

Agora imaginemos que o senhor K. é funcionário público e ganha 1200 euros por mês. O filho queixa-se de dores nos ouvidos e o senhor KFP marca uma consulta no mesmo médico particular do sr. KTT (K trabalho temporário). Paga 8 euros. O estado paga o resto. Agora, expliquem-me lá onde é que está a justiça deste sistema de saúde tendencialmente gratuito? É que o sr. KTT nem se importaria de pagar 40 euros por uma consulta no centro de saúde. Ele não ganha muito mas a saúde do filho é uma coisa importante e o sr. KTT paga 30 euros de tlm, gasta 70 euros por mês em tabaco e, ocasionalmente, até compra o Expresso. Não se importaria mesmo nada de pagar por um serviço decente e justo. Gostaria de, pelo menos, ter uma oportunidade como a do senhor KFP, nem que tivesse de pagar mais pela consulta no particular. O que chateia o senhor KTT é que o Estado lhe venda a ilusão de um serviço de saúde universal e tendencialmente gratuito, e que seja ele, e outros como ele, a sustentar essa ilusão e, quando o senhor KTT tem necessidade de recorrer a essa ilusão, chega à conclusão que o melhor é ir directamente ao particular, ao perigoso mercado neo-liberal. E ainda chateia mais o senhor KTT o seguinte: ao mesmo tempo que lhe vende essa ilusão, o estado mantém um sistema de privilégio para os seus privilegiados funcionários. É que enquanto que o senhor KTT pagou 160 euros por duas consultas, o senhor KFP pagou 16. Lembremos que o senhor KFP ganha mais 50 % do que o senhor KTT. Não seria mais justo que o senhor KFP pagasse um pouco mais, até para benefício de outros funcionários públicos que ganham menos do que o senhor KTT?

 

Bruno Vieira Amaral



por Henrique Raposo às 13:43 | link | partilhar

Da série "senhor k." (I)

Amigos, a história que vou contar é fictícia, mas acontece milhares de vezes. Repete-se todos os dias ao longo do país. Qual é o actor principal desta história? O resistente, o duro, o terno pequeno empresário, a alma mater do PIB português.

Eis a história, ou melhor, eis a microdistopia do pequeno empresário. O senhor K. entrega uma encomenda ao senhor Caloteiro. O senhor Caloteiro, tal como o nome indica, não paga ao senhor K., alegando que não tem dinheiro. Porquê? Porque a Câmara Municipal lhe deve dinheiro. Farto deste tandem de caloteiros, o senhor K. avança para o tribunal. Passado um ano, o senhor juiz decide o seguinte: a Câmara Caloteira deve pagar directamente ao senhor K. o montante da dívida do senhor Caloteiro. Mas já passou outro ano, e o dinheiro ainda não chegou. A burocracia da Câmara entrecruza-se com a burocracia do tribunal, criando assim uma orgia burocrática que dinamita a vida do senhor K. Enquanto espera pelo dinheiro, o senhor K. procura reduzir custos. Dos dez trabalhadores da sua empresa, o senhor K. pretende despedir três. Debalde. O senhor K. descobre que é impossível impor um despedimento individual em Portugal. Resultado? Um despedimento colectivo após a falência da empresa.

Esta história ilustra a faceta predadora do nosso Estado. O Estado português é o principal inimigo dos portugueses. E esta inimizade tem três dimensões. Em primeiro lugar, o Estado comporta-se como um rufia; não paga a tempo e horas. Não temos um Estado-Social. Temos um Estado-Caloteiro. Em segundo lugar, a lentidão atroz da justiça emperra qualquer actividade económica legítima; os empresários são empurrados para a corrupção e para a economia paralela. Não temos um Estado-de-Direito. Temos um Estado-de-Corrupção. Em terceiro lugar, o código de trabalho impossibilita qualquer liberdade económica. Amigos, os pequenos empresários são triplamente tramados pelo nosso Estado, o tal Estado que passa a vida em banquetes com as megaempresas semiestatais protegidas pelas golden shares.

Muitas pessoas dizem que a sociedade civil portuguesa não é activa. Estas pessoas nunca assistiram à labuta diária do pequeno empresário, o duro e terno herói que mantém Portugal acima da linha de água.



por Henrique Raposo às 13:41 | link | partilhar

A função pública, ADSE e mea culpa

Cara “Priscila” Rêgo,

(também gosta de cinema australiano?)

 

Em primeiro lugar, não escrevo a pensar na contabilidade das conversões. Não me interessa essa folha do Excel místico.

 

Em segundo lugar, os meus argumentos sobre a ADSE são os mesmos de um ex-ministro da saúde. Mas só uma pergunta: v. está mesmo a comparar a ADSE com os benefícios dados por algumas empresas? Acho que são coisas comparáveis?

Já agora, interessava que o país falasse de uma coisa: a ADSE devia ser alargada a toda a gente. A ADSE devia ser o nosso SNS. Seria mais eficaz para o doente, e poupava dinheiro aos contribuintes. Neste momento, a ADSE é ilegítima, porque privilegia apenas um grupo de pessoas, quando devia abranger toda a gente. Mais: o tal plano de saúde de Obama, aplicado a Portugal, seria mais ou menos isto de que falo – a extensão da ADSE a toda a gente.

 

Depois, eu critico, e muito, a massa salarial da função pública. É só procurar um pouquinho. Até fico tristinho pelo facto de a minha cara “amiga” não ter reparado nisso.

 

A função pública é tão grande e impenetrável que os números variam, minha “cara”: há quem fale em 600 mil, 700 mil e até 900 mil (Expresso, há uns meses). Calculo que a diferença entre os 600 mil e os 900 mil deriva deste facto: há quem tenha vínculo vitalício (600 mil?) e depois, os mais novos, têm recibos verdes (200 mil? 150 mil?). E sabe por que razão há tantos recibos verdes na função pública? Porque os directores não podem renovar os quadros, porque não se pode despedir um funcionário público do “quadro”. E o que sucede é isto (o que sucedia, pelo menos): perante o “imobilismo” (belo eufemismo) reinante, os institutos e afins arranjam os “recibos verdes” para fazer aquilo que devia ser feito pelos funcionários do quadro. O nosso Estado está mesmo cheio de “chicos espertos”.

 

Mas, minha “cara”, tenho a dizer uma coisa: mea culpa. Sim, de facto, perco a cabeça com a função pública. Sim, muitas vezes tendo para a cartoonização do FP. Às vezes, o estilo vence a seriedade. Isto é grave porque estamos num debate que mexe com a vida de milhares de pessoas. Sim, há excesso de FPs. Sim, recebem demasiado. Sim, é necessário dispensar muitos. Mas, quando se fala destas coisas, é preciso ter cuidado no tom, no estilo. Estamos a falar de pessoas, e não números ou uma massa de gente sem rosto. Até lhe digo mais. Há dias, perdi uma noite de sono, porque joguei uma crónica feita para o lixo. A dita crónica “desumanizava” o tal conceito abstracto, a “função pública”. Portanto, até tenho de lhe agradecer. Porque o seu reparo, apesar de pouco fundamento, obrigou-me a desenvolver um mea culpa sobre o tom (não sobre a essência). O tom conta muito, já dizia a minha avó. Este mea culpa que aparecerá algures. Obrigado.



por Henrique Raposo às 11:13 | link | partilhar

Reconquista católica de Inglaterra?

Em Terras de Sua Majestade, o anglicanismo está em crise, mas o catolicismo revela pujança. Henrique VIII está a dar voltar no túmulo.



por Henrique Raposo às 10:35 | link | partilhar

A rainha da Pérsia é tal e qual a minha mãe. I shit you not



por Henrique Raposo às 00:16 | link | partilhar

Quarta-feira, 28 de Julho de 2010
Bronze (V): Sibelius, Karelia Suite (esta parte do meio, e só)

 



por Henrique Raposo às 22:03 | link | partilhar

Aquilo que os nossos procuradores não percebem

 

It's not what you know, it's what you can prove.



por Henrique Raposo às 17:10 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009