Sexta-feira, 10 de Abril de 2009
Skywalker, Bruce Wayne e Todorov, ou a pesada filosofia moral na cultura pop

“O Cavaleiro das Trevas” e “A Vingança dos Sith” têm uma coisa em comum. Aliás, essa coisa em comum é a pergunta-chave que percorre os dois filmes. A pergunta é esta: até onde podemos ir na defesa do “Bem”? Qual é o limite do “Bem”? Bruce Wayne e Skywaker encontraram diferentes respostas para esta pergunta.

Anakin Skywalker vive angustiado com a presença do Bem, com a possibilidade de existir uma salvação absoluta, com a possibilidade de salvar aqueles que ama. Essa obsessão com o Bem acabará por ser aquilo que transforma Skywalker em Darth Vader. O jovem jedi transformou-se num sith, porque não soube colocar limites à sua busca pelo Bem. O seu “bem” é absoluto e sem concessões à realidade. E este “Bem” absoluto é o caminho mais rápido para o mal. Aliás, é esse a metáfora de toda a saga Star Wars: o mal advém de um bem absoluto.
A resposta de Skywalker à pergunta é, portanto, esta: não há limites para quem procura fazer o bem.

A resposta de Bruce Wayne é, precisamente, a oposta: há limites para os guardiões do bem. Ao contrário de Anakin Skywalker, Bruce Wayne não se deixou embriagar com o “Bem”, e com o seu papel de guardião desse "bem". O filme “O cavaleiro das trevas” gira em torno dos limites que Wayne coloca a si próprio. E o Joker surge como o teste final a esses limites. O mal absoluto – Joker – pode legitimar o poder absoluto daqueles que – supostamente – defendem o bem? Não.
No final do filme, ficamos a saber o seguinte: Wayne pensa que o caminho do bem é sinuoso e pouco claro. No fundo, Wayne percebe o seguinte: o caminho da ética não está em fazer o "bem", mas sim em evitar o “pior”. Aposto que Todorov gostou deste Bruce Wayne de Christopher Nolan.
Wayne recusa dar o salto que Anakin deu. Aceita compromissos com a realidade. Aceita, inclusive, ser visto como o “mau da fita”. Aceita não ser o herói. Aceita não ter a glória que advém da defesa do bem. Porque esse é o mal menor num mundo onde não pode haver um Bem absoluto, o pior dos males. 

 



por Henrique Raposo às 18:24 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009