Quarta-feira, 8 de Abril de 2009
O chouriço de Conrad

Vou passar o Apocalipse a assar chouriço. Não se assustem, meus amigos. Eu já explico esta Sodoma gastronómica. Anda por aí muita gente a dizer que o Apocalipse chegou. O capitalismo, dizem os profetas, está a ser consumido pelo fogo dos justos. Eu, que não percebo nada de religião, não posso contra-argumentar. Mas, a ser verdade, tenho a dizer uma coisa: tenho pena. Eu até gosto do capitalismo. E gosto sobretudo do centro comercial, esse bicho patusco que nunca fez mal a ninguém. Reparem numa coisa: há dias, entrei num desses centros e sai de lá com um livro de Conrad, um CD de Mussorgsky e um chouriço para assar enquanto via a selecção. Como vêem, o centro comercial prova que Conrad e Mussorgsky podem partilhar o tecto com um enchido. Esta amplitude térmica do centro comercial é imbatível. Portanto, se não se importam, enquanto o vosso Apocalipse não chega, eu vou andar por aqui assando o chouriço de Conrad.

 

Da crónica do "Expresso"

 



por Henrique Raposo às 11:34 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009