Quarta-feira, 31 de Julho de 2013
A NATO também era uma impossibilidade



Atlântico, Março 2008


"(...) Na segunda parte do livro, Lippmann tentou projectar a estratégia americana para o pós-II Guerra. Aqui, dá para perceber que a Guerra-Fria foi uma surpresa para os americanos. Em 1943, Lippmann ainda encarava a Rússia de Estaline como uma potência clássica normal (...)Lippmann via em Moscovo um dos parceiros centrais dos EUA para o pós-guerra; Rússia, China e Grã-Bretanha deviam ser os aliados americanos. Ou seja, o intelectual americano mais influente do seu tempo queria manter o ADN americano intacto, isto é, queria que os EUA evitassem contactos com a Europa continental. Afinal, «a nossa preocupação nunca recaiu sobre assuntos europeus, e tivemos sempre preocupados com assuntos mundiais. As nossas relações centrais têm sido, e são, com poderes extra-europeus»(...).


por Henrique Raposo às 09:26 | link | partilhar

autores
Henrique Raposo
Rui Ramos
Livros






Outubro 2014

Setembro 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009